Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Privatização da Eletrobrás pode render R$ 12 bilhões para o Tesouro em 2018

De acordo com o ministro, o projeto de lei com o modelo de privatização está saindo do Ministério das Minas e Energia e está indo na próxima semana para a Casa Civil, de onde se tornará público

Ricardo Leopoldo, correspondente, O Estado de S.Paulo

15 de novembro de 2017 | 18h48

NOVA YORK - O ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, afirmou nesta quarta-feira, 15, que "com a privatização da Eletrobrás, o Tesouro deve receber R$ 12 bilhões em 2018." Segundo ele, tal montante já está previsto no Orçamento do próximo ano e ajudará no cálculo de meta fiscal.

"A Eletrobrás paga o bônus de assinatura (das concessões das usinas que serão descotizadas). Isso vai para o Tesouro. O restante fica na empresa ou no setor para abater (o encargo) CDE", destacou o ministro.

"Se fosse monetizar tudo e pagar à vista seria um montante próximo de R$ 30 bilhões, mas não irá acontecer assim. O que deve entrar como restante dos recursos será no tempo na concessão para ir abatendo os encargos."

++Investimentos da Eletrobrás devem cair para R$ 5 bilhões em 2017

De acordo com o ministro, o projeto de lei com o modelo de privatização está saindo do Ministério das Minas e Energia e está indo na próxima semana para a Casa Civil, de onde se tornará público.

"Queremos enviar o projeto para o Congresso já na próxima semana. Não interfere em nada o trâmite da análise da reforma da Previdência."

O modelo também prevê que seja adotado o sistema de golden share e haverá limite de voto para os acionistas que tiverem mais de 10% dos papéis da Eletrobrás.

++Lucro da Eletrobrás cai 37% no terceiro trimestre

"Se a capitalização ocorrer como estamos esperando, será responsável por diluir a participação do governo na Eletrobrás para menos de 50%", disse o ministro.

O ministro reuniu-se em Nova York com investidores que estavam interessados em saber detalhes sobre o processo de privatização da Eletrobrás. Segundo Fernando Coelho Filho "eles entendem" o que é bom para a empresa e é possível fazer neste momento. "Não adianta fazer uma modelagem boa do ponto de vista do investidor e não ter apoio suficiente para passar."

Tudo o que sabemos sobre:
Energia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.