finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Pro Teste aconselha clientes de bancos a reler contratos

A Pro Teste, Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, afirmou que o movimento de fusões e aquisições no sistema bancário é benéfico para as empresas, mas não para o consumidor. ?É preocupante, pois o número de bancos está diminuindo e, por conseqüência, a concorrência?, diz Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Pro Teste. ?E a diminuição da concorrência nunca se reflete em redução de tarifas.?Segundo ela, em comparação com pesquisas de outras entidades de defesa do consumidor internacionais, as tarifas cobradas no Brasil estão entre as maiores do mundo. ?Muitos brasileiros não têm contas bancárias porque o preço para mantê-las é muito alto. Concentrar a atividade financeira na mão de poucos grupos apenas dificulta a bancarização da população.?Maria Inês aconselha, em primeiro lugar, que os 103 mil clientes da Nossa Caixa e do Banco do Brasil releiam quaisquer contratos que tenham com esses bancos e acompanhem, por meio de extratos e faturas, a movimentação financeira. ?Pela lei, os bancos só podem aumentar tarifas uma vez por semestre e isso já ocorreu. Portanto, qualquer novo aumento tem de ser comunicado com pelo menos 180 dias de antecedência.? O Código de Defesa do Consumidor proíbe a alteração unilateral de contratos. Contratos de financiamento, empréstimo, abertura de contas ou outros serviços já contratados não podem ser alterados. Em caso de dúvidas, o correntista deve buscar as ouvidorias dos bancos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

21 de novembro de 2008 | 09h35

Tudo o que sabemos sobre:
bancosconsumidor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.