Brendan Mcdermid/Reuters
Brendan Mcdermid/Reuters

Problemas fiscais no Brasil não são fáceis de corrigir em poucos anos, diz S&P

Para a diretora da agência Lisa Schineller, desafios no País 'são questões complexas que avançaram ao longo do tempo e acumulam dificuldades para serem resolvidas'

Ricardo Leopoldo, correspondente, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2019 | 13h41

NOVA YORK - A diretora-executiva para rating soberano da S&P Global Ratings, Lisa Schineller, afirmou que os problemas fiscais no Brasil não são fáceis de corrigir em poucos anos, pois existem desde antes de 1998, quando a agência começou a analisar a economia do País.

"São questões complexas que avançaram ao longo do tempo e acumulam dificuldades para serem resolvidas. Por exemplo, como enfrentar a desoneração de impostos para segmentos de empresas?", destacou. "Temos uma avaliação de que as mudanças ocorrerão de uma forma mais devagar do que outros estimam."

Segundo Lisa, "depende do Brasil o momento em que o País voltará ao grau de investimento", especialmente com a implementação de reformas para gerar uma dinâmica sustentável para as contas públicas. "O Uruguai levou dez anos para voltar ao grau de investimento. Alguns outros países nem retornaram a esta condição", disse. "A privatização deve avançar, mas será uma contribuição em única vez e não é substituto para reformas estruturais", disse. 

O rating do Brasil perante a S&P é BB-, com perspectiva estável. Ela fez os comentários  em evento promovido pela Brazilian American Chamber of Commerce em Nova York.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.