Brendan Mcdermid/Reuters
Brendan Mcdermid/Reuters

Problemas fiscais no Brasil não são fáceis de corrigir em poucos anos, diz S&P

Para a diretora da agência Lisa Schineller, desafios no País 'são questões complexas que avançaram ao longo do tempo e acumulam dificuldades para serem resolvidas'

Ricardo Leopoldo, correspondente, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2019 | 13h41

NOVA YORK - A diretora-executiva para rating soberano da S&P Global Ratings, Lisa Schineller, afirmou que os problemas fiscais no Brasil não são fáceis de corrigir em poucos anos, pois existem desde antes de 1998, quando a agência começou a analisar a economia do País.

"São questões complexas que avançaram ao longo do tempo e acumulam dificuldades para serem resolvidas. Por exemplo, como enfrentar a desoneração de impostos para segmentos de empresas?", destacou. "Temos uma avaliação de que as mudanças ocorrerão de uma forma mais devagar do que outros estimam."

Segundo Lisa, "depende do Brasil o momento em que o País voltará ao grau de investimento", especialmente com a implementação de reformas para gerar uma dinâmica sustentável para as contas públicas. "O Uruguai levou dez anos para voltar ao grau de investimento. Alguns outros países nem retornaram a esta condição", disse. "A privatização deve avançar, mas será uma contribuição em única vez e não é substituto para reformas estruturais", disse. 

O rating do Brasil perante a S&P é BB-, com perspectiva estável. Ela fez os comentários  em evento promovido pela Brazilian American Chamber of Commerce em Nova York.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.