Problemas na economia global se aprofundam

Dados econômicos desanimadores na Europa e números frustrantes de vendas do varejo em dezembro nos Estados Unidos abatiam os mercados financeiros nesta quinta-feira e aumentavam o espaço para mais estímulo dos governos e cortes de juro. O Banco da Inglaterra, que cortou a taxa básica de juro de 2,0 por cento para o patamar recorde de 1,5 por cento, avaliou que a economia mundial parece estar passando por um raro declínio sincronizado. "Medidas para a confiança do empresário e do consumidor fracassaram notavelmente. O crescimento do comércio mundial neste ano tende a ser o mais fraco por um tempo considerável", informou o Banco Central britânico em comunicado. O Wal-Mart, maior varejista do mundo, divulgou vendas fracas em dezembro e cortou sua previsão de lucro trimestral, enquanto muitos outros varejistas também advertiram que seus lucros podem ser piores que o esperado no quarto trimestre, que inclui a temporada-chave de compras de fim de ano. A Comissão Européia divulgou mais cedo que a confiança nos 15 países da zona do euro caiu para patamar recorde de baixa em dezembro, em meio ao aumento da taxa de desemprego. A Alemanha mostrou que as encomendas no setor manufatureiro caíram mais que o esperado, em 6,0 por cento em novembro, golpeadas pelo colapso da demanda doméstica e externa. As exportações também tiveram baixa recorde em novembro, enquanto a demanda por veículos e outros produtos de grande peso recuou. A maior economia européia e maior exportadora do mundo divulgou a maior queda mensal em suas exportações desde sua reunificação em 1990, levando o euro a cair frente o dólar. Os dados econômicos pessimistas também devem reforçar as expectativas de uma redução profunda do juro pelo Banco Central Europeu (BCE) no dia 15. Enquanto isso, o número de desempregados na Espanha superou 3 milhões pela primeira vez e as perspectivas são de uma piora desses dados em 2009, segundo o governo. Por outro lado, o número de trabalhadores norte-americanos que deram entrada em novos pedidos de auxílio-desemprego caiu inesperadamente em 24 mil na semana passada, mostraram dados do governo. O número de pessoas que continuam recebendo o benefício, no entanto, aumentou para um novo recorde em 26 anos. Os dados de auxílio-desemprego não foram suficientes para amenizar os temores de que um relatório mais abrangente, que será divulgado pelo governo na sexta-feira, pode mostrar a maior queda nos números de emprego em 59 anos.

RICHARD HUBBARD, REUTERS

08 de janeiro de 2009 | 13h28

Tudo o que sabemos sobre:
CRISECONSOLIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.