finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Problemas para cancelar débito automático

Operações com débito automático em conta corrente oferecem aos usuários, fundamentalmente, um benefício: a comodidade. Mas é também um serviço que pode trazer problemas. Alguns advogados e órgãos de defesa do consumidor recomendam que o correntista não relaxe e esteja sempre atento a seu extrato bancário. A maioria dos problemas com esse serviço, dizem, ocorre quando o usuário desiste dele e tenta cancelá-lo.Esses especialistas fornecem algumas dicas que evitam problemas no uso dessas operações ou caso o consumidor decida encerrar o serviço. O técnico de assuntos financeiros do Procon-SP - órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual -, Cláudio Lima, recomenda que o consumidor protocole uma carta a ser entregue ao banco e, além disso, comunique o cancelamento à prestadora de serviços antes de finalizar a operação.Mas Celso Marcelo de Oliveira, advogado membro do Instituto Brasileiro de Direito Bancário (IBDB), afirma que a responsabilidade pelo cancelamento do débito é apenas do banco e basta comunicá-lo para suspender o pagamento. "As instituições têm convênios com as prestadoras e têm a responsabilidade pelo contato com elas."Maior dificuldade em cancelar débitos de serviços essenciaisPara obter o serviço, o correntista precisa assinar um contrato com o banco em que concorda que o débito seja feito, afirma Lima, do Procon-SP. O problema surge em geral quando o banco se nega a suspender o débito. O advogado especializado em direito do consumidor Ricardo Ravagnani alerta que bancos e empresas de serviço, como as distribuidoras de água, luz, gás e eletricidade, tendem a dificultar o cancelamento do débito. "Nesse processo, ambos têm a garantia de que o pagamento será feito na data certa."De acordo com Oliveira, do IBDB, se o correntista não tem saldo em sua conta para o débito, na maioria das vezes os bancos retiram o saldo do limite do cheque especial. "Assim, os bancos ganham com os juros cobrados até que a conta seja coberta."Segundo o advogado, há casos também em que o banco retira recursos de investimentos do correntista para cobrir esses débitos. "Esse procedimento é cosiderado abusivo." Em contrapartida, Lima, do Procon, lembra que alguns bancos facilitam o cancelamento e oferecem nas agências um formulário para que o correntista preencha caso queira desistir do serviço.Débito automático da fatura do cartão de créditoOutro alerta que Ricardo Ravagnani faz é relacionado ao pagamento do cartão de crédito. Ele afirma que, se usa o débito automático para pagar suas despesas com o cartão, o consumidor perde o direito de pagar o porcentual mínimo de seus gastos e, também, a possibilidade de parcelar o restante. O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) recomenda que o usuário esteja atento não só ao valor debitado da conta, mas também às faturas das empresas. Em uma conta de telefone, por exemplo, caso não concorde com as ligações cobradas, o consumidor deve entrar em contato com a empresa e pedir a compensação do valor cobrado indevidamente na fatura seguinte.Bancos devem enviar aviso do débitoOliveira, do IBDB, alerta que a Resolução n.º 2.892 do Conselho Monetário Nacional (CMN), de 27 de setembro, que alterou a antiga resolução, vulgarmente conhecida como Código de Defesa do Consumidor Bancário (veja detalhes no link abaixo), determina que os bancos cancelem imediatamente o débito após receber a solicitação do correntista, exceto nas despesas em que o favorecido é o próprio banco. Mas essa determinação entra em vigor efetivamente no dia 27 de novembro, 60 dias após a sua publicação.Além disso, o advogado lembra que também é recomendação do CMN que os bancos enviem avisos por carta sobre qualquer débito na conta corrente 15 dias antes da operação, mesmo que o correntista tenha assinado um contrato concordando previamente com os saques. "Porém, essa determinação quase nunca é respeitada pelos bancos", diz Oliveira.

Agencia Estado,

22 de outubro de 2001 | 12h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.