Processamento de cana cresce 21,9% e eleva produção de álcool

A União da Indústria Agrocanavieira de São Paulo, a Unica, confirmou hoje que os primeiros dados relativos à safra de cana-de-açúcar de 03/04, levantados pela entidade, "registram o esforço realizado pelo setor sucroalcooleiro para aumentar a produção de álcool combustível, com vistas a garantir o abastecimento do produto. Até 1º de junho, foram processadas 52,06 milhões de toneladas de cana na Região Centro-Sul, volume 21,9% superior ao verificado no mesmo período do ano passado. A colheita de cana foi antecipada conforme compromisso firmado com o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva".Assim, a produção de álcool anidro apresentou elevação de 57,41% em relação a igual período na região, ao somar 1,20 bilhão de litros. O processamento de hidratado, por sua vez, apresentou crescimento de 7,10%, para 903 milhões de litros. A produção de álcool chegou a 608,3 milhões de litros até o final de abril, acima, portanto, da meta estabelecida de 600 milhões de litros no período. Já o açúcar no Centro-Sul totalizou 2,67 milhões de toneladas, 9,52% acima do mesmo período da safra 02/03.Números de SPNo Estado de São Paulo, os esforços para elevar a produção do combustível foram ainda maiores: a produção de álcool anidro aumentou 64,1% na safra nova, para 909,1 milhões de litros, enquanto a de hidratado apresentou queda de 1,89%, para 529,9 milhões de litros. Dessa forma, o processamento de açúcar teve um acréscimo de 4,41%, para 1,93 milhões de toneladas, em comparação com a safra 02/03.Segundo a Unica, "para tornar o abastecimento de álcool combustível mais seguro, as usinas do Centro-Sul não só aumentaram a produção como também compraram álcool do Norte/Nordeste, no total de 46 milhões de litros. Como a Petrobras liberou volume igual, elevaram o estoque de passagem, registrado em 1º de maio, para 650 milhões de litros, 85,7% acima dos 300 milhões da safra anterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.