Procon apura queda dos juros no crédito pessoal

Pesquisa da Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, realizada entre os dias 06 e 07 de outubro, demonstra que o consumidor está cauteloso em tomar empréstimos mesmo com o corte já realizado nas taxas de juros. O Procon-SP constatou um decréscimo de 0,23 pontos percentuais em relação ao mês de setembro para as taxas médias de empréstimo pessoal. A taxa média dos bancos pesquisados foi de 5,50% ao mês, inferior à do mês anterior, que foi de 5,73% ao mês. As três maiores quedas verificadas nas taxas de empréstimo pessoal foram verificadas no HSBC, que alterou de 5,85% para 4,54% ao mês (decréscimo de 1,31 pontos percentuais); Banco do Brasil, que alterou de 5,30% para 4,90% ao mês (decréscimo de 0,40 pontos percentuais); e Unibanco, que alterou de 6,20% para 5,85% ao mês (decréscimo de 0,35 pontos percentuais)."As sucessivas quedas das taxas de juros dos bancos comprovam aquilo que a Fundação Procon-SP vêm alertando: ainda existe muita gordura que pode ser cortada pelos bancos. Portanto, apesar da diminuição, indicamos não recorrer a este tipo de empréstimo", afirmou Gustavo Marrone, diretor executivo do Procon-SP.Características da pesquisaOs bancos pesquisados foram HSBC, Banespa, Bradesco, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Santander, Nossa Caixa, Real, Unibanco e Banco de Crédito Nacional -BCN. O documento do Procon-SP informa que os dados coletados referem-se a taxas máximas prefixadas para clientes não preferenciais, sendo que para o cheque especial foi considerado o período de 30 dias.Segundo o Procon, considerando que existe a possibilidade de variação da taxa do empréstimo pessoal em função do prazo do contrato, foi estipulado o período de 12 meses, já que todos os bancos pesquisados trabalham com este prazo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.