Procon: cuidados com agências de turismo

Com a proximidade das férias, muitas pessoas procuram agências de turismo para orientar a escolha de sua viagem. O Procon-SP, órgão de defesa do consumidor vinculado à Secretaria da Justiça do Governo do Estado de São Paulo, orienta o consumidor sobre como evitar problemas na contratação desses serviços. Em 1999, o órgão recebeu 199 reclamações de consumidores que utilizar os serviços de agências. De janeiro a outubro deste ano foram registradas mais 109 reclamações.A primeira recomendação do Procon é organizar com antecedência tanto viagens nacionais como internacionais. Isso pode representar uma economia para o consumidor, já que algumas agências oferecem preços reduzidos e facilidades nesses casos. A pesquisa de preços também é fundamental. Fique atento a anúncios e folhetos com ofertas. Eles devem conter todas as informações referentes à viagem de forma clara e precisa: valores cobrados pela parte aérea, categoria das passagens, taxas de embarque, parte terrestre, tipos de acomodação (quarto duplo, individual), traslados, refeições oferecidas, guias, número exato de dias, juros nos pagamentos a prazo e sobretudo gastos opcionais que ficarão por conta do consumidor. A escolha da época do ano em que o turista vai viajar também é um fator importante: viagens durante a chamada alta temporada em geral são mais caras do que aquelas realizadas na baixa temporada. Além disso, todos os serviços prestados, tais como alimentação, transporte, infra-estrutura dos locais visitados, sofrem uma influência direta desse fator, tanto no preço como na qualidade (filas, atrasos, overbooking, demoras etc.).Antes de contratar os serviços de uma agência de turismo, procure referências sobre a agência com pessoas de confiança que tenham usado os serviços e ligue para o cadastro de reclamações fundamentadas da Fundação Procon-SP (telefone 3824-0446).Uma vez escolhida a empresa e o pacote, insista em ter os termos por escrito. No contrato (ou ficha roteiro de viagem) deve constar aquilo que foi acertado verbalmente e oferecido pela publicidade. Atente para cláusulas que possam colocá-lo em desvantagem, principalmente as referentes à possibilidade de haver mudanças de hotel, passeios, taxas extras e transporte. Não permita que constem espaços em branco. Guarde uma via datada e assinada, bem como todos os prospectos, anúncios e folhetos publicitários (eles integram o contrato). Atenção na compra de pacotes e cruzeirosDepois de escolher o passeio, o consumidor deve optar por pacotes individuais (personalizados) ou excursões. Para quem prefere maior liberdade na programação, os pacotes individuais são mais indicados. Caso prefira a excursão deve estar ciente que os roteiros e horários são fixos, por isso, devem ser seguidos com rigor. Cheque o número de pessoas que compõem o grupo. Tanto a hospedagem como o transporte são previamente contratados. Se optar por cruzeiros marítimos é aconselhável informar-se especialmente sobre a cabine, já que a sua localização é muito importante. As internas, ficam próximas à casa das máquinas e a elevadores, costumam ser barulhentas. Fique atento a detalhes e solicite o mapa no navio, pois uma vez escolhida a cabine dificilmente poderá ser feita alteração da sua localização.Você pode obter mais informações sobre viagens no link abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.