Procon divulga pesquisa de tarifas bancárias

A pesquisa quadrimestral de tarifas bancárias feita entre 6 e 9 de novembro de 2000 pela Fundação Procon-SP detectou que a maior diferença tanto em percentual (504,44%) como em valor absoluto (R$ 45,40), entre os 42 itens pesquisados, ficou para a renovação do cadastro da conta corrente especial que no Banco do Brasil apresentou tarifa de R$ 9,00 e no Banco Real, de R$ 54,40.Comparada ao levamento feito em julho, a pesquisa apontou 27 aumentos, uma queda, 4 novas cobranças, sete mudanças de critério para cobrança e três casos em que os consumidores passaram a ter isenção de pagamento, num total de 43 modificações.Veja a lista de alterações de tarifas realizadas por cada instituição, em relação ao mês de julho de 2000:- O Banco do Brasil alterou o critério de cobrança para cheque sustado. Em julho cobrava R$ 6,50 por folha de cheques emitidos e R$ 3,00 por lote de dez cheques ou fração deles não emitidos. Em novembro a cobrança era de R$ 6,50 por folha de cheques emitidos. - O BBVA modificou as tarifas do talão de cheques (20 folhas, 2o no mês) de R$ 4,50 para R$ 5,00; do cheque administrativo/ordem de pagamento, de R$ 12,00 para R$ 15,50; do cheque devolvido (tarifa + taxa Bacen) de R$ 7,15 para R$ 8,85 e do cheque sustado de R$ 6,00 (por solicitação) para R$ 6,00 (por ocorrência).- O Itaú alterou as tarifas do cheque sustado de R$ 6,00 (por solicitação) para R$ 5,00 (por folha) e à guarda de cheque depositado e devolvido, que de R$ 2,50 em julho passou a não ser cobrada em novembro.- O Santander foi a instituição que mais promoveu mudanças. Foram alteradas as tarifas do cadastro na abertura de conta corrente (comum e especial), de R$ 14,98 para R$ 17,50; a renovação do cadastro (contas correntes comum e especial / valor anual), de R$ 29,96 para R$ 35,00; a manutenção da conta corrente (comum e especial / valor mensal), de R$ 3,90 para R$ 4,20; a contratação do cheque especial, de R$ 30,90 para R$ 15,50; renovação do cheque especial (valor trimestral), de R$ 15,45 para R$ 15,50; o cheque devolvido (tarifa + taxa Bancen), passou de R$ 9,35 para R$ 10,50; o pagamento de cheque em espécie no caixa, que de R$ 1,00 passou a ter isenção de cobrança; extrato no terminal (2o no prazo de sete dias) passou de R$ 0,98 para R$ 1,30; extrato via fax, de R$ 0,48 para R$ 0,64; saque no Banco 24 Horas, de R$ 1,20 para R$ 1,25; ordem de pagamento (outra praça), de R$ 12,00 para R$ 12,90; transferência entre contas correntes de mesma e diferentes titularidades, de R$ 1,35 para R$ 3,00; manutenção de contas correntes inativas, de R$ 20,00 passou a ter isenção de cobrança; inclusão/exclusão - CCF (tarifa + taxa Bacen), de R$ 29,44 para R$ 29,64.- O Real alterou: o fornecimento do talão de cheques (20 folhas, 1o no mês) continua com isenção, porém, a partir da presente pesquisa observou-se que a opção de isenção entre talão e cartão magnético passou a estar vinculada à tarifa de cheque a débito em conta corrente, ou seja, será cobrado R$ 0,75 por cheque (compensado e/ou descontado no caixa) a partir da 11a folha no mês. Além disso, poderá ser cobrado R$ 0,20 por cheque emitido com valor inferior a R$ 10,00. A mesma alteração no critério de cobrança foi promovida para o segundo talão de cheques de 20 folhas no mês. Outras modificações efetuadas nesta instituição foram: compensação de cheques, que em julho tinha isenção de cobrança e em novembro passou a custar R$ 0,75 e DOC "C" e DOC "D" , cuja tarifa de R$ 11,00 em julho permaneceu em novembro, mas com a cobrança de R$ 1,27 a título de tarifa interbancária.- O Mercantil de São Paulo alterou os seguintes itens: cadastro na abertura da conta corrente (comum e especial), que em julho tinha isenção, passando a R$ 12,00; da mesma forma que a contratação do cheque especial, que passou a custar R$ 10,00; o talão de cheques (20 folhas, 1o no mês) de R$ 4,00 para R$ 4,60; o cheque TB (por folha) de R$ 0,20 para R$ 0,23; a manutenção de cartão magnético (contas comum e especial), de R$ 10,00 para R$ 19,20; o cheque avulso, de R$ 2,00 para R$ 2,60 e inclusão/exclusão do CCF (tarifa + taxa Bacen), de R$ 20,00 para 26,82. A transferência entre contas correntes de diferentes titularidades apresentou mudança de critério de cobrança, com custo de R$ 1,20 tanto em julho como em novembro, mas em novembro é cobrada ainda, tarifa de R$ 0,50 pela emissão de aviso de transferência (via serviços eletrônicos).- O Bandeirantes, que em julho cobrava R$ 10,00 pelo DOC "C", em novembro não mais trabalhava com esse item, mas oferece um serviço similar denominado DOC "E", com tarifa de R$ 10,00

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.