Procon: empréstimo pessoal está mais caro

Pesquisa mensal sobre juros bancários realizada pela Fundação Procon-SP, órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual, entre os dias 7 e 9 de fevereiro, revelou que a taxa média de juros cobrada ao consumidor no empréstimo pessoal aumentou de 4,22% em janeiro para 4,32% ao mês em fevereiro. No cheque especial, a taxa média permaneceu quase inalterada - pequena redução de 0,01 ponto porcentual -, em 8,41% ao mês em fevereiro. Apesar da alta no empréstimo pessoal, dois bancos reduziram suas taxas. O Itaú está cobrando 4,70% em fevereiro, ante os 4,90% cobrados no mês anterior. O Santander também reduziu de 3,75% para 3,70% ao mês. Dentre as taxas que ficaram mais caras, o Bradesco praticou a maior elevação: de 4,50% em janeiro para 5,40% em fevereiro. Outro banco que elevou sua taxa foi o Unibanco - de 4,06% para 4,60% ao mês. Já o Banco do Brasil elevou sua taxa de 4,70% para 4,90 ao mês no empréstimo pessoal e reduziu sua taxa de 7,90% para 7,74% ao mês em fevereiro no cheque especial. A maior taxa cobrada no empréstimo pessoal foi a do Bradesco. A menor foi a do BBV, com juros de 2,90% ao mês. Já para o cheque especial, a maior taxa foi a do Banco Bandeirantes, juros de 9,90% ao mês. A menor foi a do BBV, cobrando 7,50% ao mês. Veja a pesquisa completa no link abaixo. Os técnicos do Procon-SP alertam para que o consumidor, na medida do possível, evite essas linhas de crédito uma vez que as taxas de juros continuam muito altas. Caso não seja possível fugir desses serviços devem ser verificadas sempre as condições estabelecidas em contrato. Outra recomendação importante para o consumidor é nunca incorporar o limite do cheque especial à sua renda, pois os prejuízos para o orçamento podem ser enormes. Veja mais orientações sobre operações de crédito no link abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.