Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Procon faz fiscalização de recall

Lojas são autuadas por continuarem vendendo brinquedos da Mattel

Ana Paula Lacerda e Alberto Komatsu, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2018 | 00h00

Os Procons de São Paulo e do Rio realizaram ontem ações para verificar se os produtos listados no recall de brinquedos da Mattel haviam sido retirados das prateleiras. Em São Paulo, das oito lojas visitadas sem aviso prévio pelos fiscais na capital paulista, uma foi autuada por ainda estar vendendo os produtos. Anteontem, outras três lojas haviam sido advertidas. Elas podem receber multas de R$ 212,82 a R$ 3,1 milhões, de acordo com o Código de Defesa do Consumidor.   Veja a lista dos brinquedosA reportagem do Estado percorreu lojas da região central de São Paulo e não encontrou bonecas Polly com ímãs, Batman com ímãs e Barbie & Tanner à venda. Na Rua 25 de Março, as vitrines exibiam cartazes: "Já retiramos os produtos do recall da Mattel. Entre em contato com a empresa."No Rio, o Procon fez uma vistoria em dez lojas. Todos os estabelecimentos já haviam retirado das prateleiras os brinquedos incluídos no recall. A fiscalização foi realizada no centro da cidade e nos shopping centers Barra Shopping e Shopping Rio Sul. Na maioria das lojas vistoriadas, os gerentes informaram que um representante da Mattel os visitou no início da semana para orientar a retirada dos brinquedos da lista do recall. Alguns estabelecimentos ainda guardavam os produtos no depósito para fazer a devolução ao fornecedor. Nenhum dos responsáveis pelas lojas soube informar se a Mattel vai ressarcir em dinheiro ou se haverá substituição por outros itens. "O balanço da fiscalização foi positivo. Todas as lojas retiraram os produtos do mercado e atenderam às determinações do recall", afirmou o advogado e fiscal do Procon-Rio, Guilherme Marques.ATENDIMENTOSAté ontem, o serviço de atendimento ao consumidor da Mattel no Brasil havia recebido 35,4 mil ligações e 3,2 mil e-mails de consumidores. Isso representa 5% do número de consumidores que a empresa esperava atingir. Porém, só uma minoria dos contatos pedia a troca dos brinquedos. "A maioria ainda pede informações sobre os produtos do recall", diz a empresa. A Mattel pretende que 850 mil brinquedos sejam devolvidos - 85 mil foram recolhidos das lojas, e 765 mil estão nas mãos dos consumidores. No mundo, a Mattel está recolhendo 21,8 milhões de brinquedos. Alguns - como os do Brasil - contêm pequenos ímãs que podem se descolar e ser engolidos pelas crianças. Em outros países, há brinquedos pintados com tintas com excesso de chumbo. A maioria dos brinquedos veio da China.A Associação chinesa de fabricantes de Brinquedos enviou um comunicado ontem ao governo americano afirmando que a produção de brinquedos de má qualidade não foi deliberada. "As indústrias não pretendiam produzir itens de baixa qualidade, e estão pagando caro por seus erros", dizia o comunicado. "Os recentes recalls foram instigados por empresas internacionais. Os empregados deixarão as fábricas e enfrentarão o desemprego. Isto tem um grande impacto sobre a sociedade chinesa."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.