finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Procon recomenda comparar tarifas na troca de banco

A técnica do Procon-SP Renata Reis observa que "promoções podem transformar-se em armadilhas com o tempo". Ela lembra que, por causa da cobrança de tarifas de serviços, a escolha do banco para ter conta corrente deve levar em conta principalmente o perfil do usuário dos serviços bancários. Assim, antes de mudar de banco, o correntista deve fazer um levantamento dos serviços que mais utiliza e com que freqüência para checar os custos para esses itens no outro banco. "Se o correntista tem interesse na oferta de crédito mais barato em outra instituição, ele pode procurar seu próprio banco e usar isso como moeda para renegociar sua dívida em condições ainda mais interessantes." Ela alerta que muitas vezes os bancos oferecem cestas de serviços que não atendem às necessidades do correntista, que acaba pagando pelo que não usa.Decidindo-se pela troca de banco, o correntista não pode deixar de tomar as providências necessárias para fechar a conta. De acordo com a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), ao solicitar o encerramento, o cliente deve pedir um extrato para verificar se todos os débitos autorizados e cheques emitidos foram lançados, cancelar as autorizações de débitos automáticos, devolver talões e cartões, exigindo protocolo dessas devoluções e do pedido de encerramento da conta. Se necessário, o correntista deve manter saldo suficiente para liquidação de compromissos (débito automático, prestação de financiamentos e CPMF) ainda não lançados. Se o encerramento não for formalizado, o banco continuará cobrando tarifas, o que gerará dívida e até inscrição nos serviços de proteção ao crédito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.