Procon registra nova alta para os juros do cheque especial

As taxas de juros do cheque especial cobradas pelos bancos apresentaram nova elevação em fevereiro e atingiram o maior nível desde junho de 2000. De acordo com o levantamento realizado pela Fundação Procon-SP, órgão de defesa do consumidor vinculado ao governo estadual, a taxa média de juros do cheque especial, pesquisada em 13 bancos, passou para 9,13% ao mês em fevereiro, ante 9,11% ao mês em janeiro de 2003. A taxa apurada em fevereiro equivale a juros anuais de 185,22%.Antes da alta registrada nos dois últimos meses, a taxa mensal do cheque especial não ultrapassava o patamar dos 9% ao mês desde junho de 2000. Naquela época, os juros estavam em 9,16% ao mês (186,2% ao ano). A maior taxa mensal do cheque especial foi de 9,80% ao mês, nos bancos BCN e Itaú. Já a menor foi de 7,95% ao mês, na Nossa Caixa. A pesquisa do órgão de defesa do consumidor foi realizada nos dias 10 e 11 de fevereiro nos seguintes bancos: Banco Bibao Vizcaya Brasil ? BBV, Banco do Brasil, Banespa, BCN, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Mercantil de São Paulo, Nossa Caixa, Real, Santander e Unibanco.Empréstimo pessoal O Procon-SP também registrou em seu estudo que a taxa média de juros no empréstimo pessoal teve uma pequena queda. De acordo com a pesquisa, em fevereiro, a taxa média do empréstimo pessoal é de 5,98% ao mês, ante 6,01% registrado no mês de janeiro deste ano.A maior taxa do empréstimo pessoal registrada pelo Procon-SP foi de 6,95% ao mês, no banco Itaú. A menor taxa foi encontrada na Nossa Caixa, de 3,95% ao mês. Comparando-se com o mês anterior, o Procon-SP ressalta que a única alta verificada nesta modalidade foi no banco BCN que elevou a taxa do empréstimo pessoal de 6,10% para 6,12% ao mês. A única queda de juros ocorreu no Unibanco ? de 6,90% para 6,50% ao mês.De acordo com os técnicos do Procon-SP, ?o orçamento do consumidor continua sofrendo reflexos dos gastos do final do ano e dos compromissos e impostos que vêm se apresentando desde janeiro. As taxas de juros não estão convidativas, portanto é aconselhável que o consumidor evite qualquer modalidade de crédito pessoal e procure outras formas de saldar suas contas. É bom lembrar que, nesta época do ano, muitos estabelecimentos comerciais, notadamente as papelarias e livrarias, costumam adotar o parcelamento (sem juros) para o pagamento das compras.?Confira no link abaixo as taxas praticadas no cheque especial e no empréstimo pessoal pelos bancos pesquisados pelo Procon-SP neste mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.