Procon-SP: ação contra Embratel

O Procon-SP denunciou publicamente a conduta da Empresa Brasileira de Telecomunicações (Embratel) de não solucionar os problemas apresentados com relação ao atendimento ao consumidor e sua prestação de serviços. De janeiro a setembro deste ano foram registradas 361 reclamações contra Embratel. O Procon fez um relatório de todas as reclamações e vai entrar com uma ação civil pública através da Promotoria de Defesa do Consumidor do Estado de São PauloSegundo a assistente de direção do Procon-SP, Lúcia Helena Magalhães, o principal problema é o não reconhecimento de chamadas cobradas em contas telefônicas. "Os consumidores apresentam ao Procon contas com preços alto e que têm dezenas de ligações para disque-sexo e ligações internacionais", declara. Nestas cobranças indevidas, constam também ligações recebidas a cobrar de telefones públicos (orelhões) sem a localidade definida.A Embratel também está debitando ligações internacionais realizadas em janeiro e fevereiro nas contas de outubro. A conduta é ilegal de acordo com a norma 85 da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) - o prazo de cobrança de ligações internacionais é de 150 dias e de ligações nacionais é de 90 dias. Embratel não assume falhasA Embratel alega que seus equipamentos são da mais alta tecnologia e que, por isso, não há qualquer possibilidade de flahs no sistema, o que dá entender que existe má fé de todos os consumidores que estão reclamando. A Embratel não assume a responsabilidade. A empresa alega que a rede é da Telefônica. "Eles estão fazendo o famoso jogo do empurra-empurra e quem acaba sem saída é o consumidor que, além de não receber uma resposta adequada, fica sem solução para o seus problemas", disse a assistente de direção do Procon.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.