Procon suspende vendas de quatro teles em Porto Alegre

Quatro empresas de telefonia estão proibidas de vender linhas de telefones móveis e internet 3G em Porto Alegre a partir desta segunda-feira. A suspensão é uma medida do Procon da capital gaúcha que denuncia a qualidade do serviço oferecido. Segundo o serviço de defesa do consumidor, a providência é temporária até que as "companhias respondam às solicitações cautelares".

GHEISA LESSA, Agencia Estado

20 de julho de 2012 | 13h25

Até as 11 horas, todas as notificações foram entregues, de acordo com a diretora executiva do Procon de Porto Alegre, Flávia do Canto Pereira. Às 15h30, os fiscais foram às ruas para conferir se há lojas que descumprem o mandado. As fiscalizações seguirão até sexta-feira.

Flávia informa que as empresas Tim, Oi, Vivo e Claro fazem propaganda de uma cobertura de sinal das linhas que não é real. "Há pontos cegos em toda Porto Alegre. E o consumidor compra uma linha ou um serviço de 3G que não funciona em algumas regiões ou onde mora."

O Procon pede que as empresas respondam à medida cautelar com uma propaganda capaz de dizer aos usuários quais são os bairros da capital cuja cobertura está comprometida. O órgão exige ainda o reembolso para aqueles que ficaram sem sinal. "É possível que as empresas consigam calcular o valor de reembolso de todos os usuários afetados, porque têm registros de quando os aparelhos não recebem o sinal", diz a executiva.

Tim, Oi, Claro e Vivo têm 10 dias para apresentar uma resposta, avisa o Procon, acrescentando que, caso alguma loja descumpra a medida cautelar, o fiscal pode aplicar uma multa de R$ 555 mil.

Tudo o que sabemos sobre:
telessuspensãoProconPorto Alegre

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.