Procon: Telefônica lidera reclamações em 2000

As empresas Telefônica Telecomunicações de São Paulo, Transpex Ltda, Sabesp, Embratel e Sharp do Brasil são as cinco primeiras colocadas no ranking de reclamações da Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria de Justiça de São Paulo, entre janeiro e dezembro do ano 2000. A lista de reclamações envolve todos os processos que foram atendidos ou não pelas empresas.Também foram divulgados os dados das queixas distribuídas por setores, também relativos ao ano passado. A área de serviços foi a que mais recebeu reclamações, com 35% do total geral. Seguem, de acordo com o porcentual de reclamações, assuntos financeiros (23%), saúde (19%), produtos (17%), habitação (5%) e alimentos (1%).O Procon-SP recebeu um total de 285.227 reclamações e consultas durante todo o ano passado, uma queda de 4,3% em relação a 1999. Segundo a diretora de atendimento ao consumidor do Procon-SP, Maria Lumena Balaben Sampaio, "os consumidores estão procurando se orientar através de cartilhas de consumo e outros meios de comunicação antes de realizar uma compra ou contratar um serviço". O órgão de defesa do consumidor recebe queixas contra empresas pelo atendimento pessoal, telefone, cartas, fax e Internet.O atendimento das empresas ainda não é o idealA diretora-executiva do Procon-SP, Maria Inês Fonozaro, admite que a queda no número de reclamações reflete uma postura de melhor atendimento ao cliente. "Mas o atendimento ainda não é o ideal. As empresas precisam aperfeiçoar seus métodos de tratamento aos consumidores", alerta.O secretário da Justiça e da Cidadania, Edson Luiz Vismona, ressalta que a divulgação da lista das empresas campeãs em reclamações alerta o consumidor sobre maus fornecedores. " As empresas devem trabalhar na criação de novos instrumentos preventivos contra as reclamações", avisa. Vismona acredita que as empresas que possuem uma maior consciência de cidadania e respeito ao consumidor não terão problemas.Problemas e reclamaçõesNa área de serviços, a privatização das empresas provocou um número significativo de dúvidas e queixas por parte do consumidor, especialmente nos setores de telefonia, abastecimento de água e energia elétrica. Os principais problemas estão em suas faturas de cobrança, com destaque para as cobranças indevidas, ligações telefônicas nacionais e internacionais não reconhecidas, corte de serviços essenciais sem motivo prévio e dúvidas quanto aos valores cobrados.Entre os assuntos financeiros, os bancos continuam sendo os líderes em reclamações, seguidos pelos consórcios. As principais queixas dos consumidores concentram-se em falhas bancárias, como saques não reconhecidos, pacote de tarifas bancárias e transferência de valores não reconhecidos. A falta de informação nos extratos de contas correntes também são alvo de queixas. Os consórcios apresentam problemas principalmente na cobrança de taxas de administração em caso de exclusão ou desistência.No setor de produtos, as fábricas e lojas de móveis e as montadoras de veículos (nessa ordem) recebem o maior número de queixas. O setor moveleiro apresenta problemas de entrega, publicidade enganosa e não-cumprimento da oferta. Já as montadoras de veículos foram destaque devido ao grande número de recalls no ano passado. Afora isso, as reclamações concentram-se na troca ou devolução do valor pago em caso de defeitos ou problemas mecânicos em veículos.Os planos de saúde são o destaque na área de saúde. Segundo a direção do Procon-SP, os consumidores ainda sofrem com problemas antigos, como reajustes indevidos por faixa etária, negativa de atendimento e coberturas de doenças preexistentes, além de descredenciamento de médicos e hospitais da rede de atendimento.Confira no quadro abaixo o ranking das empresas EmpresaReclamações em 20001) Telefônica6882) Transpex Ltda6023) Sabesp3884) Embratel3285) Sharp do Brasil2586) Eletropaulo2557) Credicard1968) BCP1809) Banco Bradesco15410) Golden Cross128Fonte: Procon-SP

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.