Tony Winston/Agência Brasília/Fotos Públicas
Tony Winston/Agência Brasília/Fotos Públicas

Procon-SP já recebeu mais de 100 denúncias de preços de combustíveis

Alguns postos aproveitam notícias de desabastecimento para elevar os preços sem justa causa; na capital paulista, cobrança chega a quase R$ 10 pelo litro da gasolina comum

Pedro Ladislau Leite, O Estado de S.Paulo

24 Maio 2018 | 19h47

Em meio à crise de abastecimento de combustíveis, ao menos 100 reclamações foram protocoladas nesta quinta-feira, 24, no Procon-SP, referentes a aumentos abusivos em postos do Estado de São Paulo.

+ ANP anuncia pacote de medidas para garantir abastecimento de combustível

+ Por combustível, polícia reduz duração de rondas de patrulhamento em SP

O maior preço registrado por enquanto foi no bairro de Jardim Prudência, na zona sul da capital paulista, onde o litro de gasolina comum era vendido a R$ 9,88.

Segundo o órgão, os casos ainda estão em estudo e não houve autuações. No entanto, o Procon-SP destaca que, se verificada prática de preço abusivo, o Código de Defesa do Consumidor prevê de multa até interdição do estabelecimento.

+ AO VIVO: Siga a greve dos caminhoneiros pelo Brasil

Para evitar casos abusivos, a instituição abriu, nesta quarta-feira, 24, um canal específico para receber denúncias referentes a preços de combustíveis.

+ Perguntas e respostas sobre a manifestação dos caminhoneiros

Como não há tabelamento de preços, o que o Procon verifica é se cada aumento denunciado tem ou não justificativa em alterações de custos. Segundo a assessoria do órgão, muitos postos simplesmente tentam aproveitar as notícias de desabastecimento para elevar os preços.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.