Procura por executivos teve alta em julho

Atividades de recrutamento aumentaram após desqualificação do Brasil na Copa do Mundo 

Caderno Empregos & Carreiras,

30 de agosto de 2010 | 11h01

Sexta-feira, dia 2 de julho. A Holanda tirava o Brasil da Copa do Mundo e punha fim ao sonho do hexa. Brasileiros tiveram o fim de semana para se despir da euforia e para voltar à ‘vida real’. Segunda-feira, 5, não teve jeito, só mesmo o recomeço de uma nova semana de trabalho sem mais pausas para os jogos canarinhos.

"A partir de maio, junho, o Brasil viveu o clima de Copa e a movimentação de profissionais no mercado de trabalho ficou amortecida. Tão logo ocorreu a desqualificação, houve maior agitação nas atividades de recrutamento", explica o economista Laerte Cordeiro, diretor-geral da consultoria de Recursos Humanos que leva seu nome e que realiza, mensalmente, a Pesquisa Impex – sobre o cenário de empregos para executivos no mercado de trabalho.

De acordo com o último levantamento, referente a julho deste ano, o mês abriu o segundo semestre com números maiores do que os de junho e do que os da média mensal dos primeiros seis meses do ano. Foram 860 recrutamentos de executivos (gerentes e diretores), 53% mais que em junho de 2010 e 20% mais que em julho do ano passado.

Entre os setores de atuação que mais contrataram, ‘a taça’ foi para a área geral de marketing e vendas, com 44% do total de procuras. Na sequência, vieram as produção/técnica (23%), serviços internos – como tecnologia da informação, RH e área jurídica – (12%), gerência geral ou equivalentes (11%) e finanças/controle (10%).

Em termos de setores da economia, a indústria foi a campeã, responsável por 73% dos casos de contrato. Serviços veio em segundo (20%), seguido pelos setores de comércio (5%) e bancário (2%). A maior procura foi por cargos de executivo comercial, de vendas, gerente geral, industrial, de produção, de produto e controllers.

Para Cordeiro, os resultados estão de acordo com as previsões de crescimento da economia brasileira: "As empresas que mais recrutaram foram metalúrgicas, da engenharia, da área têxtil. de máquinas e equipamentos. Ou seja, todas ligadas à movimentação de desenvolvimento da economia brasileira, com projetos do governo federal".

E a previsão é de que o ritmo de contratações continue acelerado. "Os números de agosto serão agradáveis de ver", adianta.

Realizada desde 1983, a Pesquisa Impex considera anúncios de jornais, dados de empresas de recolocação e de headhunters, entre outras fontes. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.