Vladimir Simicek/AFP
Vladimir Simicek/AFP

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Procuradores alemães indiciam executivos da Volkswagen por fraude de emissões

Existem processos em andamento devido à admissão da empresa, em 2015, de que usou um software de controle de motores ilegal para burlar testes de emissões de poluentes

Reuters

24 de setembro de 2019 | 10h55

Procuradores alemães apresentaram acusações criminais de manipulação do mercado de ações contra o presidente da Volkswagen, Herbert Diess, o ex-presidente Martin Winterkorn e o presidente do conselho, Hans Dieter Poetsch, devido ao escândalo da fraude de emissões de poluentes da montadora

Os acusados agiram intencionalmente ao não informar os investidores a tempo sobre o impacto financeiro do escândalo, disse a Procuradoria de Braunschweig, cidade do norte da Alemanha, nesta terça-feira, 24. 

Existem processos em andamento devido à admissão da empresa, em 2015, de que usou um software de controle de motores ilegal para burlar testes de emissões de poluentes. O indiciamento dos procuradores de Braunschweig é parte de uma investida legal separada para julgar executivos devido a alegações de que adiaram a revelação do escândalo aos investidores.

O advogado de Diess disse em um comunicado que o CEO não poderia ter previsto a reação negativa do mercado financeiro e que continuará em seu cargo sem impedimentos. 

Winterkorn renunciou dias após o surgimento do escândalo. No início de 2017, ele disse a parlamentares alemães que não soube da fraude antes de a VW admiti-la oficialmente.

As ações da empresa perderam 37% do valor nos dias seguintes à irrupção do escândalo. Se os investidores tivessem sabido sobre a fraude da VW, poderiam ter vendido as ações mais cedo ou evitado fazer aquisições, argumentaram os demandantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.