Procuradores recorrem à Justiça contra MP que cria a Super Receita

A Associação Nacional dos Procuradores Federais (Anpaf) informou nesta terça-feira que entrou no Supremo Tribunal Federal (STF) com Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin), que pede liminar contra a Medida Provisória número 258. A MP entra em vigor hoje e unifica as receitas Previdenciária e Federal numa única estrutura arrecadatória. Possibilita a criação da Super Receita e atribui a competência para sua representação à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.De acordo com a associação, a Constituição de 1988 estabeleceu princípios de suma importância para a sociedade brasileira, com a finalidade de garantir e proteger os recursos da Previdência Social, dentre os quais a gestão descentralizada e democrática dos seus recursos. Para a Anpaf, estes princípios configuram-se como norteadores da gestão da Seguridade Social, e não podem ser violados pela referida MP.Na ação, os procuradores federais ainda questionam a transferência da cobrança da dívida ativa do INSS, da Procuradoria-Geral Federal (PGF) para a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. Segundo a Anpaf, a ruptura de um serviço prestado há mais de cinqüenta anos pelos procuradores federais que atuam junto ao INSS, e mais recentemente pelo Órgão de Arrecadação da PGF, contraria o princípio da continuidade do serviço público e compromete a racionalidade do serviço, afrontando outro princípio da administração pública, de observância obrigatória pelo governo federal: o princípio da eficiência.Outro aspecto relevante abordado na Adin, diz respeito à impossibilidade de edição de MP para tratar de dispositivos constitucionais que foram alterados entre 1º de janeiro de 1995 e a promulgação de Emenda Constitucional 32, de 1998, dentre os quais o que regulamenta a criação de órgãos e de cargos públicos. "O fato de a previdência social ter sido alterada pela Emenda Constitucional nº 20, torna inviável o processo legislativo extraordinário efetivado através de MP", destaca a Anpaf, por meio de comunicado à imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.