Produção da indústria de transformação vai cair, diz CNI

Embora a Confederação Nacional da Indústria (CNI) tenha revisado para zero a projeção de crescimento do setor como um todo em 2012, a produção da indústria da transformação deve cair 1,9% este ano. A queda só não será generalizada porque as indústrias extrativa e da construção civil devem se expandir 2%, cada uma, no período.

EDUARDO RODRIGUES, Agencia Estado

27 de setembro de 2012 | 12h40

"A indústria vai ficar estagnada porque a recuperação que a gente esperava no começo do ano não aconteceu. O processo de ajustamento dos estoques está perto do fim, então o setor deve mostrar reação mais forte nos próximos meses", avaliou o economista da CNI, Marcelo de Ávila.

Segundo ele, a previsão da entidade para o crescimento do PIB do País caiu para 1,5% - inferior até que a expansão de 1,6% estimada nesta quinta-feira pelo Banco Central - devido às perspectivas de queda do PIB agropecuário de 2,5%, pelo lado da oferta, e dos investimentos em 1,5%, pelo lado da demanda. "Com a estagnação da indústria, o crescimento no setor de serviços e a manutenção do consumo das famílias e do governo são os fatores que têm mantido expansão da economia", completou.

Já o gerente-executivo de Pesquisas da CNI, Renato da Fonseca, afirmou que os investimentos podem ser retomados já no começo de 2013. "Os investimentos dependem da confiança dos empresários, portanto podem se recuperar antes mesmo que as medidas tomadas pelo governo nos últimos meses, sobretudo a de redução do custo da energia, ganhem fôlego", explicou.

Para ele, no entanto, um agravamento da crise internacional poderia comprometer esse movimento de retomada. "A crise é longa e, se piorar muito, vai afetar o Brasil principalmente nas exportações, mas pode haver contágio pelo lado do fluxo financeiro também", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Informe Conjuntural3º trimestreCNI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.