Produção de aço bruto no País cresce 8,2% no semestre

A produção brasileira de aço bruto em junho foi de 3 milhões de toneladas, segundo o Instituto Aço Brasil (IABr). O resultado foi 3,9% maior do que o registrado no mesmo mês do ano passado. No entanto, a produção de laminados registrou queda de 8,4% na mesma comparação, com 2,1 milhões de toneladas produzidas em junho.

DANIELA AMORIM, Agencia Estado

21 de julho de 2011 | 17h53

No acumulado do primeiro semestre de 2011, foram produzidas 17,7 milhões de toneladas de aço bruto e 12,8 milhões de toneladas de laminados, o que significou um aumento de 8,2% e queda de 2,2%, respectivamente, na comparação com o mesmo período de 2010.

Segundo o instituto, 1,8 milhão de toneladas de produtos siderúrgicos foram vendidos no País em junho, um recuo de 8,2% em relação a junho de 2010. As vendas acumuladas em 2011 somaram 10,9 milhões de toneladas, um crescimento de 0,7% com relação ao mesmo período do ano anterior.

As exportações de produtos siderúrgicos somaram 1 milhão de toneladas em junho, totalizando US$ 810 milhões. No primeiro semestre, foram 5,6 milhões de toneladas exportadas, o equivalente a US$ 4,3 bilhões, um aumento de 32,7% em volume e de 69,2% em valor frente ao mesmo período do ano anterior.

Já as importações somaram 317 mil toneladas em junho, com retração de 24,5% sobre o mesmo mês do ano passado. Em valores, as importações somaram US$ 390 milhões, com queda de 2%. No primeiro semestre, foram 1,7 milhão de toneladas de produtos siderúrgicos importados, 36,7% abaixo do mesmo período do ano anterior.

O Instituto Aço Brasil informou ainda que o consumo aparente nacional de produtos siderúrgicos foi de 2,1 milhões de toneladas em junho, queda de 10,3% em relação ao mesmo período de 2010, e de 12,6 milhões de toneladas no primeiro semestre de 2011, um recuo de 5,6% ante a primeira metade do ano passado.

Tudo o que sabemos sobre:
siderurgiaaçoproduçãoIABr

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.