Produção de aço deve cair 1,8% em 2006, diz IBS

A produção de aço no Brasil deverá encerrar 2006 no total de 31,043 milhões de toneladas, o que representa uma queda de 1,8% em relação ao total produzido em 2005. O número foi divulgado nesta terça-feira pelo presidente do Instituto Brasileiro de Siderurgia (IBS), Luiz André Rico Vicente, em entrevista à imprensa. A produção de 2006 ano ficará 3,9% inferior à registrada em 2004, quando atingiu 32,9 milhões de toneladas. Pelos dados do IBS, haverá aumento nas vendas internas de 11,3% em relação a 2005, atingindo 17,87 milhões de toneladas. O patamar previsto para 2006, porém, ainda será inferior em 9,7% ao registrado em 2004. "O ano passado foi um ano muito difícil. É um ano para esquecer", disse Vicente. Ainda pelos dados do IBS, o consumo aparente de aço no Brasil encerrará 2006 com 18,892 milhões de toneladas, o que representa aumento de 12,4% em relação a 2005, e queda de 8,2% em relação a 2004. No consumo aparente, o IBS exclui as vendas para dentro do parque siderúrgico e importações das empresas do setor para transformação. Este ano, só a CSN registrou um acréscimo de importação de um milhão de toneladas devido à parada de seu alto-forno no primeiro semestre. O presidente do IBS enfatizou que o setor siderúrgico é muito aderente à evolução da economia com um todo. "Se a economia não cresce, o setor de aço também não cresce. Nós estamos esperançosos de que o próximo governo dê ênfase ao crescimento econômico, o que permitirá ampliação da renda e mais empregos", afirmou.Setor automotivoO setor automotivo assumiu a liderança entre os maiores consumidores de aço do País. Tradicionalmente essa posição era ocupada pelo setor de construção civil, conforme números divulgados pela superintendente do IBS Catia Coelho, também nesta terça. "O setor de construção está parado, o que inibe o consumo de aço", disse. Conforme os dados do IBS, no ano passado, o setor automotivo consumiu 4,815 milhões de toneladas de aço, enquanto a construção civil consumiu 4,547 milhões de toneladas de aço. Em 2004, o consumo aparente do setor automotivo somou 4,978 milhões de toneladas e o de construção civil 5,158 milhões. Outro setor que demanda grande quantidade de produto é o de bens de capital, incluindo máquinas e equipamentos agrícolas. Em 2005, esse segmento consumiu 3,514 milhões de toneladas de aço, praticamente igual aos 3,517 milhões de toneladas registrados em 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.