Produção de alimentos precisa crescer 70% até 2050

A produção mundial de alimentos terá de crescer 70% até 2050 para suprir as crescentes necessidades da população mundial, alertou a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). A entidade estima que haverá 2,3 bilhões de pessoas a mais para alimentar em 2050 e, para que haja alimento suficiente, os investimentos na agricultura primária terão de aumentar 60%.

ANA CONCEIÇÃO, Agencia Estado

23 de setembro de 2009 | 09h50

"A produção anual de cereais terá de crescer em quase um bilhão de toneladas, de 2,1 bilhões de toneladas atuais; e a oferta de carne terá de ser elevada em 200 milhões de toneladas para 470 milhões de toneladas em 2050", disse a FAO, que estima que 72% da produção de carne do mundo serão consumidos pelos países em desenvolvimento, ante 58% nos dias atuais.

Boa parte do aumento da produção de alimentos terá de ocorrer por meio do aumento da produtividade, mas a FAO também prevê que mais 120 milhões de hectares de terra serão necessários para isso. A maior parte dessa área será cultivada na África Subsaariana e na América Latina. "A maior parte da terra que pode ser cultivada servirá para o plantio de apenas alguns tipos de produtos, e não necessariamente aqueles de maior demanda. Essa terra também estará concentrada em poucos países", advertiu a FAO.

Os recursos hídricos, embora suficientes para ajudar a aumentar a produção, podem tornar-se particularmente escassos em partes da África e no sul da Ásia, afirmou a FAO. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
alimentosproduçãoFAO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.