Produção de bens de capital cresceu 18% em janeiro

A produção de bens de capital disparou no início deste ano e aponta para aceleração dos investimentos em 2007. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram uma expansão de 18% na produção desse segmento em janeiro, ante igual mês do ano passado. Desempenho bem acima dos 4,5% de crescimento total da produção industrial na mesma comparação.Para Silvio Sales, coordenador de indústria do instituto, a elevação mostra que "a percepção das empresas é de que o cenário é favorável".Os resultados do mês ainda mostra um ritmo lento na indústria neste início de ano, com queda de 0,3% em janeiro ante dezembro, basicamente por conta de paradas técnicas na produção de plataformas de petróleo. O desempenho de bens de capital foi, para Sales, o dado "mais expressivo". Essa categoria, que sinaliza investimentos na própria indústria, elevou a produção em 1,7% ante dezembro o que, segundo ele, sugere "um aumento da capacidade produtiva da economia como um todo".Máquinas e equipamentosSegmentados, os dados da produção de bens de capital mostram uma aceleração no ritmo de fabricação de máquinas e equipamentos para fins industriais, voltados à ampliação da capacidade das empresas do setor. De acordo com o IBGE, em janeiro a produção desses itens subiu 26,8% ante igual mês de 2006. É quase cinco vezes mais do que o crescimento acumulado por esta categoria em todo o ano passado: 5,5%.O índice de difusão da produção industrial também mostra que houve uma maior disseminação na elevação da produção de bens de capital. De todos os itens vinculados a este segmento pesquisados pelo IBGE, 71,7% mostraram aumento em janeiro. Para a indústria como um todo, o índice foi de 58,9% no mês.O economista-chefe do Banco WestLB do Brasil, Roberto Padovani, acredita que os bens de capital manterão sua trajetória de ascensão no primeiro trimestre deste ano. Marcela Prada, da Tendências Consultoria, também avalia que a alta será mantida e que isso indica "um quadro bem positivo dos investimentos, sinalizando um cenário favorável para a indústria e para a inflação"."De fato, além do aumento dos investimentos, o cenário favorável para crédito, renda e emprego e o patamar elevado de confiança sustentam uma tendência positiva para a indústria."A economista-chefe do BES Investimento, Sandra Utsumi, também avalia que os dados de bens de capital sinalizam para alta futura da produção da indústria. Segundo ela, há perspectiva de uma expansão do setor para o médio e o longo prazos. "O crescimento do segmento de bens de capital sugere isso. Estamos vendo investimentos em expansão", disse.PetróleoApesar da tendência favorável, a queda da produção na média da indústria ante dezembro foi puxada especialmente pelo segmento de refino de petróleo e álcool, cuja queda no mês chegou a 4,7%, provocada pelas paralisações técnicas ocorridas em plataformas de petróleo no mês. "A produção (da indústria em geral) não caiu ante dezembro por causa das paralisações (nas plataformas), mas foi um efeito importante", disse Sales.Ele explicou que uma série de segmentos vinculados à produção de petróleo mostraram queda na produção em janeiro ante dezembro. No caso dos bens intermediários, os recuos ocorreram em combustíveis e lubrificantes elaborados (-2,5%) e em combustíveis e lubrificantes básicos (-2,5%). No que diz respeito aos semiduráveis, o recuo ocorreu em carburantes (-6,8%), grupo que inclui álcool e gasolina, mas cuja queda ocorreu na gasolina.A produção de refino de petróleo e produção de álcool apresentou queda também na comparação com janeiro de 2006 (-5,6%), sendo o segundo principal impacto negativo nessa base de comparação. O recuo foi puxado por gasolina e diesel.Para Padovani, a queda na produção ante o mês anterior foi muito influenciada pelo petróleo, o que leva à manutenção das expectativas de crescimento para este ano da produção industrial (3,5%) e do Produto Interno Bruto (PIB), de 3,4%. "O problema foi localizado e por isso não permite mudança de cenário para o ano", afirmou. Marcela Prada também avalia que o recuo é pontual e não reverte as expectativas positivas para este ano. Para o economista da Itaú Corretora Mauricio Oreng, a produção industrial deverá voltar a mostrar crescimento na margem em fevereiro, depois da queda verificada em janeiro.ConstruçãoOs dados divulgados pelo IBGE referentes a insumos e bens de capital para construção civil apontam que o setor deve manter o bom ritmo de crescimento, na avaliação da economista da FGV Projetos, Ana Maria Castelo.Em janeiro, a produção de insumos da construção cresceu 2,54% em relação a janeiro do ano passado e 2,41% ante dezembro, sem dessazonalização. Já a produção de bens de capital para a construção civil aumentou 11,8% ante janeiro de 2006 e 13,4% ante dezembro, sem dessazonalização.Ana Maria ressaltou que o ritmo de lançamento de imóveis continua forte e que a oferta de crédito deve prosseguir como medida importante para o setor.A economista destacou que, no ano passado, houve crescimento de 4,5% da construção, puxado pela habitação e por obras eleitorais. "Em 2007, somente o mercado habitacional não será suficiente para garantir uma taxa superior a 4,5%", disse Ana Maria.Segundo ela, é preciso que os recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para obras de infra-estrutura sejam aplicados para que o setor cresça acima de 7% conforme a projeção do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP).Colaborou Chiara Quintão

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.