coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Produção de cana será recorde, diz Conab

Impulsionada pela demanda interna e externa por açúcar e álcool, a produção de cana-de-açúcar na safra 2006/07 será de 471,2 milhões de toneladas, recorde histórico para o País. Estimativa divulgada nesta quinta-feira pelo presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Jacinto Ferreira, aponta crescimento de 9,2% na produção na comparação com a safra anterior, que foi de 431,4 milhões de toneladas. Em relação à previsão anterior para a safra 2006/07, divulgada em maio, o crescimento é de 0,3% ou 1,3 milhão de toneladas.Na avaliação do presidente da Conab, os preços do açúcar e do álcool estão muito atrativos, o que estimulou o plantio de cana. Ele citou que o preço de um tipo de açúcar comercializado no mercado externo subiu 26,19% no período acumulado de um ano. A área plantada em 2006/07 cresceu 5,5% para 6,2 milhões de hectares. As lavouras de cana ocuparam áreas que antes eram utilizadas para a engorda de animais e para o cultivo de grãos, informaram os técnicos da Conab que visitaram regiões canavieiras no começo de agosto para fazer o levantamento.Além da questão dos preços, o rendimento das lavouras também melhorou. "O clima favorável no Nordeste compensou a queda na produção na Região Centro-Sul, onde as lavouras foram prejudicadas pela estiagem", afirmou. Na média do País, o rendimento das lavouras de cana cresceu 3,5%, para 76.467 quilos por hectare. Nas regiões Norte e Nordeste, esse crescimento foi de 7,7%, para 56.659 quilos por hectare.De acordo com o levantamento da Conab, os estados do Centro-Sul continuam sendo os maiores produtores de cana do País. Eles são responsáveis por 86,3% da safra prevista para este ano. São Paulo é o principal produtor com 282,1 milhões de toneladas, ou 59,9% do total. As regiões Norte e Nordeste contribuem com 13,7% da produção prevista para o ano-safra.Da produção total de 471,2 milhões de toneladas de cana, 423,4 milhões de toneladas serão destinadas à indústria sucroalcooleira. Desse total, 238,4 milhões de toneladas irão para a produção açúcar. Esse volume é suficiente para produzir 595,3 milhões de sacas de 50 quilos de açúcar. A industrialização total de álcool (hidratado, anidro e neutro) vai demandar, segundo cálculos da Conab, 185 milhões de toneladas de cana. A produção de álcool será de 17,8 bilhões de litros no ano-safra. O restante da produção, 47,8 milhões de toneladas, será destinado a outros fins, como produção de cachaça, rapadura, ração animal e mudas.AlívioA estimativa da Conab foi recebida com alívio pelo Ministério da Agricultura. "Os números mostram que a demanda por álcool está aumentando, mas a estimativa indica que o produtor também está elevando a sua produção", comentou fonte do ministério. Segundo essa fonte, os números mostram que a oferta de cana-de-açúcar será suficiente para garantir o abastecimento interno e externo de açúcar e álcool e evitar uma crise de desabastecimento. De acordo com esse interlocutor, o Brasil terá pelo menos 1 bilhão de litros a mais de etanol no fim do ano safra. "Estaremos mais tranqüilos", disse a fonte. No Centro-Sul, a safra de cana termina em novembro. No Nordeste, ela começa em novembro e vai até abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.