Produção de pneus cai 45% no País

O mercado de pneus está em retração por causa da crise e pode ser o próximo a demitir trabalhadores. Em dezembro de 2008, a produção encolheu 45% e as vendas no varejo tanto para carros de passeio quanto para caminhões e ônibus caíram 10%.Com a freada nas vendas da indústria automobilística, a indústria de pneus novos tenta se salvar com o mercado de reposição, que responde por 40% da produção. "A reposição ajuda e deve trazer alguma estabilidade ao mercado em 2009. Mas não é suficiente, pois a concorrência com o pneu importado é imensa", afirma Luís Norberto Paschoal, presidente da rede DPaschoal, que atua no varejo de autopeças e serviços automotivos. A entrada de importados é da ordem de 1 milhão de unidades por mês.A Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (Anip) só deve divulgar os números do setor em fevereiro. Mas um estudo da consultoria Lafis, especializada em análises setoriais, aponta que em 2008 o mercado de pneus cresceu em torno de 3,8%, abaixo da expansão de 5% que o mercado vinha obtendo desde 2004. Para 2009, a expectativa é de crescer 2,8%, com ligeira recuperação em 2010 ( 3,1%)."O setor perdeu rentabilidade com a retração no preço da borracha, que é vinculada ao preço do petróleo. Além disso, o mercado de reposição e as exportações são influenciados pela queda de confiança do consumidor", afirma Tiago Franceschini, analista do setor de pneus da Lafis. Por outro lado, aponta, o dólar valorizado tende a elevar o faturamento das exportações. O Brasil exporta 30% da produção de pneus. Entre as companhias que atuam no setor, apenas a Michelin confirmou a construção de uma nova fábrica este ano, no Rio. Procuradas, Pirelli e Goodyear não quiseram falar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.