Roosevelt Cassio/Reuters
Roosevelt Cassio/Reuters

Produção de veículos cai 15,2% em maio ante 2017, aponta Anfavea

Greve dos caminhoneiros prejudicou fornecimento de peças; segundo presidente da associação, montadoras deixaram de produzir entre 70 mil e 80 mil veículos no mês por causa da paralisação

André Ítalo Rocha, O Estado de S.Paulo

06 Junho 2018 | 13h31

Prejudicada pela greve dos caminhoneiros, que afetou o fornecimento de peças, a produção de veículos no Brasil caiu 15,2% em maio ante maio do ano passado, informou nesta quarta-feira a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Foram 212,3 mil unidades fabricadas no mês, entre automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. O volume, se comparado a abril, registra queda de 20,2%.

A greve dos caminhoneiros começou no dia 21 de maio e durou nove dias. Com a falta de peças, que não chegavam em razão do bloqueio das estradas, as montadoras foram parando a produção aos poucos, até que, no dia 24, a Anfavea anunciou que todo o setor ficaria sem produzir no dia seguinte – apenas uma ou outra fábrica manteve parte da produção.

As linhas de montagem começaram a se normalizar no dia 31, quando os caminhoneiros passaram a desmobilizar a greve e liberar as estradas. A Fiat, que tem duas unidades no Brasil, uma em Betim (MG) e outra em Goiana (PE), foi uma das primeiras a voltar a fabricar.

O mês de maio também foi afetado pela greve de metalúrgicos na fábrica da Mercedes-Benz em São Bernardo do Campo, que começou antes da paralisação dos caminhoneiros e durou cerca de uma semana. Em uma negociação salarial que chegou a ir para a Justiça do Trabalho, a montadora e o sindicato da região acertaram um aumento real de 1,5% nos salários, entre outras reivindicações atendidas.

Os contratempos de maio, no entanto, não impediram que o setor permanecesse em alta no acumulado do ano. De janeiro a maio, já são 1,178 milhão de unidades produzidas, considerando todos os segmentos, crescimento de 12,1% em relação a igual intervalo do ano passado.

+ Governo orienta Procons para fiscalizar postos e garantir desconto de R$ 0,46 no diesel

A criação de vagas de emprego nas montadoras também segue em expansão. Foram 616 postos de trabalho abertos nas montadoras em maio. Em 12 meses, o setor acumula 5.372 empregos criados. Hoje, as fabricantes empregam 132.365 pessoas, número 4,2% maior que em maio do ano passado. 

Impacto. As montadoras deixaram de produzir entre 70 mil e 80 mil veículos em maio por causa da paralisação dos caminhoneiros, estima a Anfavea. "O impacto da greve foi forte", disse o presidente da Anfavea, Antonio Megale, em coletiva de imprensa.

Segundo Megale, "grande parte" da produção perdida por causa da paralisação deve ser recuperada em dois ou três meses pelas montadoras, caso haja demanda do mercado. "Temos condições", disse o executivo, que demonstrou confiança que o setor termine o ano com mais de 3 milhões de unidades produzidas.

De acordo com o presidente da Anfavea, as projeções da associação para o setor em 2018 deverão ser revisadas na coletiva de imprensa do mês que vem. É o tempo necessário para as empresas avaliarem o impacto exato da greve nos resultados do ano.

Megale, no entanto, disse que, nas exportações, os contratos não foram cancelados. Apenas houve atraso no embarque de veículos. O que preocupa mais, ele disse, é o mercado interno. "Algumas pessoas deixaram de comprar naquele momento [da greve] e talvez, por uma questão de confiança e preocupação com o futuro, podem adiar a compra por alguns meses ou mais tempo, aí podemos ter uma perda", disse.

De qualquer forma, o executivo afirmou que os primeiros dias de junho mostram uma tendência de normalização do mercado. Segundo ele, foram 10 mil unidades vendidas ontem e 9,5 mil unidades vendidas antes de ontem, números próximos da média diária do ano. "Junho será um mês de gradual volta à normalidade", declarou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.