SERGIO CASTRO/ESTADÃO
SERGIO CASTRO/ESTADÃO

Produção de veículos cai 19,1% em 2015 e provoca corte de 6,3 mil postos de trabalho

Resultado é reflexo das medidas de corte de produção adotadas pelas montadoras para se adequar à demanda menor; produção em maio foi a pior desde 2005

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

08 de junho de 2015 | 12h17

Atualizado às 14h

SÃO PAULO - A produção de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus no mercado brasileiro em maio caiu 3,4% na comparação com abril e recuou 25,3% ante o mesmo mês do ano passado, divulgou nesta segunda-feira, 8, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). No quinto mês do ano, foram produzidos 210.086 veículos no País, o menor nível para o mês desde 2005. Com o resultado, a produção acumula queda de 19,1% no ano até maio, na comparação com igual período de 2014.

O resultado é reflexo das medidas de corte de produção adotadas pelas montadoras nos últimos meses para tentar diminuir estoques e adequar o nível de produção à baixa demanda do mercado. No mês passado, fábricas como Fiat, GM e Mercedes concederam férias coletivas e licenças remuneradas, colocaram grupos de metalúrgicos em lay-off (suspensão temporária dos contratos) ou promoveram paradas técnicas estratégicas.

Mesmo com a diminuição do estoque total de veículos em maio ante abril, o presidente da Anfavea, Luiz Moan, prevê que a indústria automobilística brasileira ainda passará por um "grande corte" na produção nos próximos meses. Segundo ele, esse ajuste vai durar pelo menos até julho. 

Em maio, o estoque total de veículos nos pátios das concessionárias e das montadoras caiu para 361,1 mil, menor do que as 367,2 mil unidades estocadas em abril. Com a queda, o estoque total no mês passado era suficiente para 51 dias de venda, ante 52 dias em abril (considerando o ritmo de vendas de maio). O setor considera ideal um estoque equivalente a 30 dias de vendas.

Ainda de de acordo com Moan, há cerca de 25 mil trabalhadores afastados pelas montadoras por meio de lay-off, férias coletivas, licença remunerada, dentre outros. Levantamento feito pelo Broadcast, serviço de informações da Agência Estado, no início de junho mostrou que o número de metalúrgicos afastados em junho deve superar 40 mil trabalhadores, com o afastamento de mais 17 mil empregados a partir da segunda quinzena de junho.

Mesmo com o afastamento de funcionários, a indústria automobilística brasileira eliminou 1.380 vagas em maio. Após as recentes medidas de ajuste da produção à baixa demanda, o setor encerrou o quinto mês do ano com 138,2 mil empregados, 1% a menos do que em abril e 9,2% menor do que o contingente de trabalhadores de maio do ano passado. Segundo a Anfavea, esse é o menor nível de emprego para o mês desde 2010, quando o setor encerrou com 129 mil trabalhadores. Com esses cortes, a indústria automotiva já demitiu 6,3 mil empregados em 2015. 

Segmentos. Considerando apenas automóveis e comerciais leves, a produção em maio chegou a 201.598 unidades, o equivalente a queda de 3,4% em relação a abril e recuo de 24% ante maio de 2014. No mês passado, foram produzidos 176.104 automóveis e 25.494 comerciais leves, menor nível para o mês desde 2007. Com isso, a produção de autos e leves juntos acumula queda de 17,5% nos primeiros cinco meses de 2015 frente o mesmo período do ano passado. 

A produção de caminhões, por sua vez, caiu 10,1% em maio na comparação com abril e recuou 51,4% ante maio de 2014. Ao todo, a produção de caminhões atingiu 6.169 unidades no quinto mês deste ano, menor patamar para o mês desde 1999. Com o resultado, a fabricação de pesados acumula queda de 46,4% em 2015 até maio em relação aos cinco primeiros meses do ano passado. 

Vendas. As vendas totais de veículos em maio caíram 3% em maio na comparação com abril e 27,5% ante o mesmo mês do ano passado. No quinto mês de 2015, foram emplacadas 212.696 unidades em todo o País. Com o resultado, os licenciamentos acumulam queda de 20,9% nos primeiros cinco meses deste ano em relação a igual período de 2014.

Considerando somente automóveis e comerciais leves, foram emplacados 205.229 unidades em maio, o equivalente a recuos de 3,2% na comparação com abril e de 26,3% ante um ano atrás. Em maio deste ano, foram vendidos 175.671 automóveis e 29.558 comerciais leves. Com o resultado, as vendas de autos e leves juntas acumulam queda de 20% neste ano até agora em relação ao mesmo intervalo de tempo de 2014.

Máquinas agrícolas. A produção de máquinas agrícolas e rodoviárias em maio caiu 1,2% na comparação com abril e recuou 26,8% ante um ano atrás. No mês passado, foram fabricadas 5.580 unidades. Com o resultado, a produção de máquinas acumula retração de 23% neste ano até maio, em relação a igual período de 2014.

As vendas internas de máquinas agrícolas e rodoviárias no atacado, por sua vez, atingiram 4.148 unidades em maio, queda de 2,6% em relação a abril e recuo de 32,6% ante o mesmo mês do ano passado. Após o desempenho do mês passado, as vendas acumulam retração de 25,2% em 2015 até o momento. 

Já as exportações de máquinas agrícolas em valores totalizaram US$ 139,798 milhões em maio, queda de 5,6% na comparação com abril e recuo de 50,5% ante igual mês do ano passado. Com o resultado, as vendas externas de máquinas agrícolas recuam 41,3% neste ano até maio. 

Exportações. Ainda segundo a Anfavea, as exportações em valores de autoveículos e máquinas agrícolas somaram US$ 1.261.986 em maio, alta de 50,9% na comparação com abril e avanço de 12,6% ante o mesmo mês do ano passado. Mesmo com os resultados positivos, as vendas externas em valores ainda acumulam recuo de 12,1% nos cinco primeiros meses de 2015 na comparação com um ano atrás. 

No quinto mês deste ano, foram exportados 40.762 unidades de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus exportados. A quantidade corresponde a alta de 41,7% na comparação com abril e crescimento de 16,5% ante o mesmo mês do ano passado. No ano, as exportações em unidades acumulam avanço de 3% frente a igual período de 2014. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.