bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Produção de veículos dispara 92,7% e venda sobe 1,5% no País

Veículos bicombustíveis são responsáveis por 86,2% das vendas do setor; exportações caem 50,5% em janeiro

Agência Estado e Reuters,

09 de fevereiro de 2009 | 10h52

A produção de veículos no Brasil saltou 92,7% em janeiro sobre dezembro depois de cinco meses de quedas consecutivas, quando o setor foi abalado pela crise de crédito internacional. Além disso, as vendas subiram 1,5% na mesma base de comparação, segundo dados divulgados nesta segunda-feira, 9, pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).     Veja também: De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise   O mercado esperava com ansiedade os dados, depois que a produção industrial brasileira como um todo apresentou queda recorde em dezembro, puxada pelo setor automotivo. Na comparação com o mesmo mês de 2008, os dois índices tiveram queda: a produção caiu 27,1% e as vendas 8,1%.   As vendas externas de veículos novos despencaram 48,1% em janeiro sobre dezembro e recuaram 60,1% sobre o ano anterior, atingindo 22,6 mil unidades. Em valor, as exportações declinaram 50,5% contra dezembro e 58,2% na comparação anual, para 428,3 milhões de dólares.   O nível de emprego no setor automotivo caiu 1,5% em janeiro contra o mês anterior, mas subiu 3,7% na comparação anual, para 126.188 postos de trabalho.   Setores   As vendas de automóveis e comerciais leves, modelo bicombustível (flex), totalizaram 163.545 unidades em janeiro de 2009, com participação de 86,2% das vendas do segmento. No mesmo mês do ano passado, a participação dos veículos flex foi de 87,2%.   Já as vendas internas de máquinas agrícolas no atacado somaram 3,1 mil unidades em janeiro de 2009, o que representa redução de 17,1% em comparação com dezembro passado. Em relação ao mês de janeiro de 2008, as vendas tiveram crescimento de 7,3%.   As vendas de caminhões no mercado nacional somaram 6.336 unidades em janeiro de 2009, o que representa queda de 23,9% em relação a dezembro e de 20,7% ante mesmo mês do ano passado. As vendas de ônibus, por sua vez, caíram 39% no primeiro mês do ano em relação a dezembro, para 1.406 unidades. Em relação a janeiro de 2008, a queda foi de 12,1%.   Destaque   O destaque do mês foi a General Motors, cujas vendas de automóveis e comerciais leves saltaram de 29.310 em dezembro para 38.151 unidades em janeiro. A Fiat registrou vendas de 43.312 unidades, alta ante as 42.567 unidades de dezembro, o que a coloca em primeiro lugar no País.   Em seguida, Volkswagen aparece em segundo lugar, com comercialização de 41.134 unidades no mês passado contra vendas de 40.374 unidades em dezembro. A Ford teve vendas praticamente estáveis, passando de 22.603 em dezembro para 22.561 em janeiro.   Revendas   Enquanto o mercado de veículos novos cresceu em janeiro, ajudado pela medida do governo de reduzir a zero a alíquota do IPI para carros novos, o mercado de revendas de veículos manteve-se praticamente estável em janeiro no Estado de São Paulo, com 136.312 negócios realizados.   De acordo com a Associação dos Revendedores de Veículos Automotores no Estado de São Paulo (Assovesp), foi verificado um leve aumento de 0,65% na comparação com dezembro. A restrição ao crédito e a desvalorização dos produtos foram os principais responsáveis pelo fraco desempenho do setor, avalia a Assovesp.   Em relação a janeiro de 2008, a queda nos negócios representou 17,81% Segundo a associação, a maioria das vendas (75,4%) envolveu carros populares (motor 1.0) no primeiro mês do ano. As vendas financiadas representavam 56% do total em dezembro e subiram para 68% em janeiro. Também aumentou o prazo de financiamento, de 43 meses para 51, na mesma base de comparação.   Em média, os carros desvalorizaram 4,58%, com populares depreciando 4,54%; importados, caindo 6,03%; carros a álcool, -4,28%, e flex fuel, -5,47%. Caminhões depreciaram-se 1,95% e motos, 2,88%.

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraSetor Automotivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.