NIlton Fukuda/Estadão
NIlton Fukuda/Estadão

Produção de veículos em setembro é a maior em 10 meses, mas ainda não recupera perdas da pandemia

No mês passado saíram das montadoras 220,2 mil unidades, 4,4% mais que em agosto; resultado acumulado no ano, de 1,33 milhão de veículos, é 41,1% menor que no mesmo período de 2019

Eduardo Laguna, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2020 | 11h25

Com o maior volume mensal em dez meses, a produção das montadoras subiu 4,4% em setembro na comparação com agosto. No mês passado, 220,2 mil unidades - entre carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus - saíram das linhas de montagem, segundo balanço divulgado nesta quarta0feira, 7, pela Anfavea, a entidade que representa a indústria nacional de veículos.

O resultado confirma a recuperação da produção após o choque da pandemia de covid-19, mas ainda em ritmo abaixo do ano passado. Na comparação com setembro de 2019, a produção de veículos caiu 11%.

Ainda assim, desde novembro do ano passado, quando as montadoras produziram 227,5 mil unidades, a fabricação de veículos não alcançava patamar tão alto, o que, contudo, segue longe de reverter a queda acumulada no ano. De janeiro a setembro, a produção de 1,33 milhão de veículos significou um recuo de 41,1% em comparação com o mesmo período de 2019.

Desagregando os números por segmento, a produção de carros de passeio e utilitários leves, como picapes e vans, subiu 3,4% na comparação de setembro com agosto, chegando a 208,8 mil unidades no mês passado. Frente a setembro de 2019, houve queda de 11% no segmento.

A produção de caminhões, de 9,4 mil unidades no mês passado, subiu 28,9% no comparativo com agosto e caiu 9,4% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Completa a estatística a produção de 1,96 mil ônibus, o que representa um aumento de 14,3% em relação ao número de agosto. Na comparação com setembro de 2019, a produção de coletivos caiu 18,8%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.