Michaela Rehle/Reuters
Michaela Rehle/Reuters

Produção de veículos sobe 40,4% em abril na comparação com o ano passado

Na comparação com março, houve, no entanto, queda de 0,5% na produção das montadoras, em conta que engloba carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus

Eduardo Laguna, O Estado de S.Paulo

07 Maio 2018 | 11h49

Balanço divulgado nesta segunda-feira pela Anfavea, entidade que representa as montadoras instaladas no País, mostra que a produção do setor continuou em alta no mês passado, quando 266,1 mil veículos saíram das linhas de montagem, um aumento de 40,4% em relação a abril de 2017  – quando foram produzidas para 189,5 mil veículos.

+ Exportação de manufaturados do Brasil pode ser afetada

Na comparação com março, houve, no entanto, queda de 0,5% na produção das montadoras, em conta que engloba carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus.

O resultado do mês passado levou para 965,9 mil o total produzido pela indústria de veículos no acumulado dos quatro primeiros meses do ano, 20,7% a mais do que o volume registrado em igual período de 2017.

+ ‘Era urgente frear a escalada do dólar’, diz sócio de consultoria argentina

Só nas fábricas de carros de passeio e utilitários leves, responsáveis pelo maior volume de produção, foram montadas 253,7 mil unidades no mês passado, o que representa um crescimento de 39,3% frente a abril de 2017. Na comparação com março, a produção nesse segmento caiu 0,4%.

Já a produção de caminhões, de 9,1 mil unidades no mês passado, avançou 54,2% no comparativo interanual, mas caiu 8,6 % ante março.

+ Venda de veículos no Brasil e na Argentina cresce mais que em outros países

Exportação. As montadoras aumentaram em 19,5% as exportações de veículos no mês passado, na comparação com abril de 2017. No total, 73,2 mil unidades - entre carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus - foram embarcados pela indústria de veículos, que tem na Argentina seu principal destino no exterior.

O volume representa um crescimento de 8,4% em relação ao volume exportado em março e leva para 253,4 mil veículos o total vendido a mercados internacionais entre janeiro e abril, uma alta de 7,5%.

Numa conta que inclui, além dos veículos, as exportações feitas pelas próprias montadoras de motores e autopeças, bem como os embarques das fábricas de tratores agrícolas, também associadas à Anfavea, o faturamento do setor com vendas ao exterior chegou a US$ 1,68 bilhão em abril. O montante corresponde a um aumento de 36,8% em relação ao faturamento registrado em abril de 2017. Na comparação com março, a alta foi de 6,6%.

O presidente da Anfavea, Antonio Megale, reconheceu que o setor observa com preocupação a situação da Argentina. Durante a apresentação dos resultados, o executivo comentou que o aumento dos juros na Argentina tem impacto no financiamento de automóveis.

"Com certeza, nos preocupa. Tivemos movimento de volatilidade no câmbio, que também está afetando o Brasil. Fica mais difícil trabalhar com câmbio volátil", afirmou, acrescentando que a Argentina representa mais de 75% das exportações de veículos produzidos no Brasil.

Apesar disso, ele salientou que o mercado argentino ainda mostra um quadro positivo, com perspectiva de vendas próximas de 1 milhão de veículos neste ano, e informou que, até o momento, nenhuma encomenda vinda do parceiro do Mercosul foi cancelada.

Nos quatro primeiros meses do ano, as exportações cresceram 26,1% em faturamento, chegando a US$ 5,77 bilhões.

+ Toyota anuncia 870 vagas para fábricas do interior de SP

O balanço da Anfavea mostra ainda que a produção de ônibus mais do que dobrou (alta de 121,2%) em abril comparativamente ao volume do mesmo período de 2017. No total, 3,3 mil ônibus foram fabricados no mês passado, 16,5% a mais do que o número que saiu das linhas de montagem de coletivos em março.

Emprego. Levantamento da Anfavea mostra que o emprego no setor subiu 0,4% na passagem de março para abril. No total, as montadoras de veículos e fábricas de tratores agrícolas fecharam abril empregando 131,7 mil pessoas. O número é 4,1% maior do que a ocupação registrada nessa indústria um ano antes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.