Produção global de minério de ferro cai em 2009 pela 1ª vez em sete anos

Segundo a Unctad, produção global somou 1,58 bi de toneladas ano passado, 6,2% mais baixa que a de 2008 

Ligia Sanchez, da Agência Estado,

30 de julho de 2010 | 11h34

A produção de minério de ferro caiu em 2009 pela primeira vez em sete anos, apesar do crescimento da comercialização para níveis recordes, mantendo as condições do mercado sob pressão e os preços altos até 2012, de acordo com relatório da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad). A produção global de minério de ferro em 2009 somou 1,588 bilhão de toneladas, 6,2% mais baixa que a de 2008.

O Brasil foi o segundo maior produtor de minério de ferro no ano passado, com 300 milhões de toneladas, atrás apenas da Austrália, que produziu 394 milhões de toneladas. A Índia contribuiu com 257 milhões de toneladas e a China, que já foi a maior produtora, ficou em quarto lugar, com 234 milhões de toneladas.

O relatório mostra que a produção de mineração em 2009 caiu na maioria dos países, exceto na Austrália e África do Sul. A produção da China deverá diminuir ainda mais neste ano devido ao fechamento de minas.

Já a comercialização de minério de ferro atingiu o recorde de 955 milhões de toneladas em 2009, crescendo 7,4% sobre o ano anterior, em grande parte em função do aumento das importações da China, observou a Unctad. A Austrália exportou o equivalente a 92% de sua produção, uma alta de 17%, acima de Brasil e Índia.

O relatório alerta que a oferta ficará atrás da demanda no curto prazo e que a determinação de preços tornou-se mais obscura em seguida ao colapso do processo anual de negociação de referência nos mercados de minério de ferro no início deste ano. "Acreditamos que, no futuro, a oferta vai aumentar gradualmente e os preços vão recuar dos atuais níveis extremos, mas continuarão em um patamar mais alto do que em 2008", avalia Alexei Morajov, representante da Unctad.

O relatório informa que 75 milhões de toneladas em nova capacidade foram preparadas no ano passado e que 685 milhões de toneladas deverão entrar em operação entre 2010 e 2012. A análise foi compilada pela Unctad e pelos analistas de mineração suecos do Raw Materials Group. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.