Produção industrial cai 0,7% em abril nos EUA

A produção industrial despencou em abril nos EUA, apresentando um amplo declínio em setores que vão de veículos a móveis, passando por equipamentos de escritórios. A produção caiu 0,7%, após uma alta de 0,2% em março, informou o Federal Reserve (Fed, banco central americano).A utilização da capacidade instalada caiu para 79,7% em abril, num sinal de menor pressão inflacionária. O uso da capacidade em março estava em 80,4%, revisado em baixa dos 80,5% divulgados originalmente. A média no período de 1972 a 2007 é 81%. Os economistas esperavam que a produção industrial caísse 0,4% em abril, com a utilização da capacidade ficando em 80% no mês.O setor manufatureiro está sofrendo juntamente com toda a economia. Uma medida chave de seu estado, a pesquisa do Instituto de Gestão da Oferta, indicou que o setor se contraiu nos últimos três meses medidos. Outros dados da economia americana sugerem que as empresas têm evitado investir capital e mantêm os estoques baixos ante a incerteza sobre a demanda por seus produtos.Nos 12 meses encerrados em abril, a produção da indústria manufatureira cresceu apenas 0,2%. A produção industrial caiu 0,8% em abril, após ficar estável em março e cair 0,7% em fevereiro. A utilização da capacidade caiu para 77,5%, de 78,3%.A produção de bens duráveis caiu 1,4%. A produção de não duráveis recuou 0,1%. A produção de veículos a motor e autopeças despencou 8,2% no último mês sobre março, quando caíra 4,3%. Excluindo veículos e autopeças, a produção industrial teria caído 0,6% em abril.A produção de maquinários caiu 1,7% em abril, após subir 0,1% em março. Os equipamentos de escritório recuaram 1,1% em abril, após subir 0,7% em março. Móveis caíram 0,7% em abril, após recuaram 0,4% em março.Há alguns sinais positivos no relatório. A produção das firmas de tecnologia do país, por exemplo, aumentou 1% em abril, após subir 2,3% em março. A de computadores subiu 0,5%.A atividade mineradora caiu 0,8% em abril e o uso da capacidade das minas caiu para 90,6%, de 91,4%. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.