Divulgação
Divulgação

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Produção industrial cai 0,7% em novembro e acumula retração de 3,2% em 2014

Em relação ao mesmo mês de 2013, tombo é de 5,8%; em 12 meses, o resultado também está 3,2% negativo

Daniela Amorim, Gustavo Santos Ferreira , Agência Estado, Economia & Negócios 

08 de janeiro de 2015 | 09h11

Atualizado às 9h40

A produção industrial caiu 0,7% em novembro ante outubro, na série com ajuste sazonal - divulgou nesta quinta-feira, 8, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

A queda mensal veio maior do que o piso do intervalo de expectativas dos analistas ouvidos pela Agência Estado, que iam de queda de 0,60% a crescimento de 1,10%, com mediana positiva de 0,50%.

Em relação a novembro de 2013, a produção caiu 5,8%. Nesta comparação, as estimativas variavam de retração de 2,80% a 6,00 %, com mediana negativa de 4,00%. No ano, a produção da indústria acumula queda de 3,2%. Em 12 meses, a produção também caiu 3,2%.

Dos quatro grupos econômicos componentes da pesquisa, apenas bens intermediários não apresentou retração - mas a estabilidade de 0%. Todos os outros mostraram recuos: bens de capital, de 0,2%; bens de consumo semiduráveis e não duráveis, de 1,3%; e duráveis, de 2,1%.

Entre os 24 ramos pesquisados, 11 registraram queda em novembro. O destaque, negativo, fica por conta dos produtos alimentícios, cuja queda na produção em novembro foi de 3,4%. O fraco desempenho foi o de maior impacto para a medição negativa do índice de produção geral no mês.  

Revisão. O IBGE revisou o dado da produção industrial do mês de outubro ante setembro, que passou de estabilidade (0,0%) para alta de 0,1%. A taxa de setembro ante agosto também foi revista, de -0,2% para -0,3%; a de julho ante junho passou de 0,6% para 1,0%; e a de junho ante maio saiu de -1,4% para -1,7%.

Já a produção de bens de capital sofreu revisão na taxa de outubro ante setembro de 0,0% para 0,1%; o resultado de setembro ante agosto passou de 0,8% para 0,9%; o de agosto ante julho saiu de -0,1% para -0,3%; o de julho ante junho passou de 14,3% para 14,7%; e o de junho ante maio saiu de 12,6% para 12,8%.

A fabricação de bens de consumo duráveis também foi revista, saindo de -0,8% para -1,5% em outubro ante setembro. A taxa de setembro ante agosto saiu de 7,6% para 8,5%; a de agosto ante julho passou de -3,7% para -2,5%; e a de julho ante junho saiu de 25,9% para 26,9%.

 

Tudo o que sabemos sobre:
industria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.