Produção industrial cai em 7 dos 14 locais pesquisados

Os índices regionais da produção industrial ajustados sazonalmente mostram queda em sete dos 14 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em janeiro ante dezembro. Todos atingiram taxas abaixo da média nacional (-0,3% no período, segundo divulgou o instituto na semana passada): São Paulo (-1%), Minas Gerais (-0,9%), Rio Grande do Sul (-1%), Pernambuco (-1,5%), Espírito Santo (-2,7%), Paraná (-3,4%) e Ceará (-3,5%).Entre as áreas que ampliaram a produção, Bahia (10,8%) e Amazonas (9,4%) alcançaram as taxas mais expressivas. Na comparação com janeiro de 2006 - período em que houve alta de 4,5% no total do País -, os índices regionais apresentam expansão em todos os locais pesquisados, exceto no Ceará, que registrou queda de 5,4%, "refletindo o forte impacto negativo vindo do setor de refino de petróleo e produção de álcool.De acordo com os dados, entre as áreas com taxas positivas, acima da média nacional, figuram: Goiás (18,4%), Pará (10,6%), Amazonas (8,4%), Bahia (6,3%), Minas Gerais (6,2%), Rio Grande do Sul (6,2%), Pernambuco (5,1%), Região Nordeste (5,0%) e Espírito Santo (4,7%). Também com resultados positivos, porém abaixo do crescimento do Brasil, ficaram o Paraná (3,2%), São Paulo (3,1%), Santa Catarina (2,3%) e Rio de Janeiro (2,1%). São PauloA produção industrial de São Paulo, em janeiro, caiu 1% frente a dezembro, na série livre de influências sazonais, após avançar 0,8% em dezembro ante novembro. A produção no Estado mostrou recuo também no índice de média móvel trimestral, considerado o principal indicador de tendência e que indicou queda de 0,4% no trimestre encerrado em janeiro ante o terminado em dezembro.A queda de 1,0% ocorreu especialmente por causa da paralisação ocorrida na Refinaria de Paulínia, segundo explicou a economista Isabella Nunes, da coordenação de indústria do IBGE. "Sabemos que houve esse efeito muito forte, pontual", disse. Segundo ela, é preciso esperar as taxas futuras apuradas na região para checar se haverá recuperação após a queda ante mês anterior apresentada no primeiro mês deste ano. "Um mês é muito pouco, tem que esperar fechar um primeiro trimestre", observou.Na comparação com janeiro de 2006, de acordo com dados do IBGE, a indústria paulista cresceu 3,1%, resultado abaixo do total do País (4,5%), e expansão de 3,3% em 12 meses.Em relação a igual mês do ano anterior, em janeiro, 12 dos 20 segmentos pesquisados no Estado deram contribuições positivas, com máquinas e equipamentos (17,4%), máquinas para escritório e equipamentos de informática (71,9%) e alimentos (11,3%) exercendo os principais impactos. Nestes setores, destacaram-se as altas nos itens de centros de usinagem; computadores; e sucos concentrados de laranja.Já as reduções em veículos automotores (-6,1%), refino de petróleo e produção de álcool (-9,0%), "pressionados por paralisações programadas para manutenção nas unidades produtoras", e material eletrônico e equipamentos de comunicações (-11,7%) foram as mais expressivas para o total da indústria, segundo destaca o documento de divulgação do IBGE.Nos ramos que apresentaram baixa em São Paulo nessa base de comparação, conforme o instituto, sobressaem os recuos na fabricação de automóveis; gasolina; e aparelhos de comutação para telefonia. "Percebe-se, assim, uma significativa dispersão no desempenho dos vários segmentos pesquisados, que se traduz em uma expansão global moderada (3,1%) no mês", avaliam os técnicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.