Filipe Araujo/Estadão
Filipe Araujo/Estadão

Produção industrial cresce em 11 dos 15 locais pesquisados, diz IBGE

Bahia mostrou a maior alta, 7,7%; em todo o País, produção teve alta de 0,8%, segundo o IBGE

Daniela Amorim e Denise Luna, O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2017 | 11h06

RIO - Em relação a julho do ano passado, o setor industrial registrou em julho deste ano expansão de 2,5%, com alta em 11 dos 15 locais que integram a Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No País, a produção industrial subiu 0,8% em julho ante junho e registrou o quarto mês consecutivo de crescimento. 

A Bahia (7,7%) mostrou a maior alta, impulsionada, principalmente, pelos avanços registrados pelos setores de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (gasolina automotiva, óleo diesel e gás liquefeito de petróleo), veículos automotores, reboques e carrocerias (automóveis) e celulose, papel e produtos de papel (celulose). 

Subiram acima da média nacional: Santa Catarina (4,6%), São Paulo (4,0%), Região Nordeste (3,6%), Pará (3,2%) e Paraná (2,8%). 

Ceará (2,2%), Mato Grosso (1,8%), Goiás (1,1%), Minas Gerais (1,1%) e Rio Grande do Sul (0,7%) completaram o conjunto de locais com crescimento na produção. 

+ Pela 1ª vez em seis anos, empresas conseguem reduzir endividamento

Já Pernambuco (-5,8%), Rio de Janeiro (-5,0%) e Espírito Santo (-4,4%) apontaram os recuos mais intensos em julho de 2017, pressionados, em grande parte, pelo comportamento dos setores de produtos alimentícios (margarina e produtos embutidos ou de salamaria de carnes de aves), no primeiro local; de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (óleo diesel, querosenes de aviação, naftas para petroquímica e gasolina automotiva), no segundo; e de indústrias extrativas (óleos brutos de petróleo), no último. Amazonas, com decréscimo de 0,9%, também mostrou resultado negativo em julho de 2017. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.