Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Produção industrial de outubro sobe 0,1%

A produção industrial registrou aumento de 0,1% em outubro ante setembro na série com ajuste sazonal, variação considerada como estabilidade pelo IBGE. O indicador veio acima do teto das previsões, que variavam de -1,7% a -0,1%, com mediana em -0,50%. Houve crescimento na produção também na comparação com outubro do ano passado (0,4%), no acumulado de janeiro a outubro (3,4%) e em 12 meses (4,1%). Na comparação com outubro de 2004, as previsões variavam de -1,50% a +0,60%, com mediana em 0,00%.Na comparação com o mês anterior, a única categoria pesquisada a registrar queda na produção foi bens de capital (-3,9%), enquanto bens intermediários (+0,1%), bens de consumo duráveis (+2,8%) e bens de consumo não-duráveis (+0,5%) registraram expansão nessa base de comparação. O crescimento dos duráveis reverte uma trajetória de três meses de queda ante mês anterior. Na comparação com outubro de 2004, houve queda em bens intermediários (-0,6%) e crescimento nas demais categorias: bens de capital (2,1%), bens de consumo duráveis (2,7%) e bens de consumo não duráveis (1,6%).Segundo comentam os técnicos do IBGE no documento de divulgação da pesquisa, "os índices para o mês de outubro mostram que a indústria sustentou o mesmo patamar de setembro, interrompendo assim o movimento de queda registrado naquele mês, em conseqüência, sobretudo, do comportamento das indústrias de duráveis e não duráveis. Esta estabilização em outubro não reverte, embora atenue, a trajetória de queda observada no índice de média móvel trimestral, com redução de -0,5%." RevisãoO IBGE revisou as variações já divulgadas na produção industrial de setembro ante agosto (de -2,0% para - 2,3%); de agosto ante julho (de 0,9% para 0,8%); de julho ante junho (de -2,1% para -2%); de junho ante maio (de 1,6% para 1,5%); e de maio ante abril (de 1,2% para 1,3%).O economista da coordenação de indústria, André Macedo, disse que a revisão ocorreu por causa da tradicional mudança resultante da introdução de um novo número na série com ajuste sazonal, além de revisões em dados originais de bens intermediários, bens de capital e de bens de consumo não-duráveis.

Agencia Estado,

07 de dezembro de 2005 | 11h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.