Produção industrial do Japão cai e deflação persiste em setembro

A taxa de desemprego, por sua vez, recuou ligeiramente, de 5,1% em agosto para 5% no mês passado

Hélio Barboza, da Agência Estado,

29 de outubro de 2010 | 08h25

A produção industrial japonesa caiu 1,9% em setembro na comparação com o mês anterior, informou o Ministério da Economia, Comércio e Indústria, marcando o quarto mês consecutivo de declínio ante o enfraquecimento das exportações. Já o núcleo do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) do Japão caiu 1,1% em setembro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, informou o Ministério dos Assuntos Internos e Comunicações, o 19º mês consecutivo de recuo.

A queda da produção industrial ficou acima do que esperavam os economistas consultados pela Dow Jones, que estimavam em média que a produção industrial declinaria 0,6% depois dos ajustes por fatores sazonais. O Ministério informou ainda que, baseado em pesquisas com as companhias, espera uma queda na produção de 3,6% em outubro e um crescimento de 1,7% em novembro. Segundo o Ministério, a produção global mostra tendência de enfraquecimento.

Fraca demanda doméstica deprime preços

A queda do CPI marcou o 19º mês consecutivo de declínio, num momento em que a fraqueza da demanda doméstica continua a deprimir os preços. A leitura ultrapassou a mediana das previsões de economistas consultados pelas agências Dow Jones e Nikkei, que era de queda de 1%, e ficou acima da deflação de agosto, também de 1%.

O núcleo do CPI para a região metropolitana de Tóquio - indicador antecedente das tendências nacionais - apresentou queda de 0,5% em outubro, menor do que as expectativas dos economistas, que era de um declínio de 0,8%. Em setembro, o índice havia recuado 1%.

Desemprego 

A taxa de desemprego no Japão ficou em 5% no mês de setembro, recuando apenas ligeiramente dos 5,1% de agosto, segundo informou nesta sexta-feira o governo japonês. A expectativa do mercado era de que a taxa se mantivesse em 5,1%. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.