Produção industrial no país cai 1,8% em novembro

A atividade industrial brasileiraretraiu-se em novembro, influenciada por uma base forte do mêsanterior, por um menor número de dias úteis e pela queda naprodução no setor automotivo, informou o Instituto Brasileirode Geografia e Estatística (IBGE) nesta segunda-feira. A produção caiu 1,8 por cento em novembro de 2007 anteoutubro. Na comparação com outubro de 2006 houve expansão de6,7 por cento. Analistas consultados pela Reuters estimavam uma retraçãode 1,7 por cento mês a mês e uma alta de 6,3 por cento nacomparação anual. O IBGE revisou o dado de expansão da indústria de outubroante setembro dos 2,8 por cento divulgados anteriomente para3,3 por cento, atingindo nível máximo de produção. Segundo o instituto de pesquisa, "o recuo observado naprodução, entre outubro e novembro de 2007, teve perfilgeneralizado e atingiu 18 dos 27 ramos pesquisados". As principais baixas mês a mês foram registradas nossetores Veículos automotores (-3,9 por cento), Edição eimpressão (-5,8 por cento) e Alimentos (-1,9 por cento). Entre as categorias de uso, apenas bens de capital (+1,2por cento) não apresentou queda de produção em novembro emrelação a outubro. A atividade de bens de consumo duráveisdeclinou 2,6 por cento; a de bens intermediários caiu 0,7 porcento e a de bens de consumo semi e não duráveis recuou 0,6 porcento. COMPARAÇÃO ANUAL Na comparação com novembro de 2006, 21 dos 27 setores daindústria tiveram crescimento. "Os maiores impactos sobre a média global vieram deVeículos automotores (+23,3 por cento), impulsionado pelafabricação de automóveis e caminhões, e do setor de Máquinas eequipamentos (+18,3 por cento), por conta da maior produção demáquinas para colheita e carregadoras-transportadoras", afirmouo IBGE. A produção de bens de capital saltou 24,3 por cento denovembro de 2006 para o mesmo mês de 2007. O setor de bens deconsumo duráveis teve alta de 11,1 por cento na comparaçãoanual. O desempenho de bens intermediários subiu 4,8 por centoe a de bens de consumo semi e não duráveis avançou 4,1 porcento na mesma base comparativa. Nos primeiros 11 meses de 2007, a produção industrialacumula crescimento de 6 por cento. Nos 12 meses até novembrode 2007, a expansão é de 5,5 por cento. (Reportagem de Vanessa Stelzer; Edição de Cesar Bianconi)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.