Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Produção industrial no País surpreende e cai 0,4% em julho

Queda, ante o mês de junho, é a primeira depois de nove altas consecutivas do indicador do IBGE

Agência Estado e Reuters,

04 de setembro de 2007 | 09h43

A atividade industrial brasileira caiu 0,4% em julho ante junho, na série com ajuste sazonal (levando-se em conta os efeitos temporais), segundo divulgado nesta terça-feira, 4, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A queda foi a primeira após nove altas consecutivas do indicador. Esta queda "não sugere uma inflexão, mas uma acomodação" do setor, segundo avalia o chefe da coordenação de indústria do IBGE, Silvio Sales. Para ele, "não há nenhum sinal amarelo no conjunto de indicadores (da economia) que leve a acreditar que vá perdurar essa tendência (de queda)". Na comparação com o mesmo mês do ano passado, porém, a produção da indústria cresceu 6,8%. Analistas consultados pela Reuters estimavam um aumento mensal na produção das indústrias no país de 0,6% e de 7,7% na leitura anual. Setores A única categoria de uso pesquisada pelo IBGE a apresentar crescimento na produção industrial em julho, ante junho, foi a de bens de consumo duráveis (+0,8%). Houve queda, nesta base de comparação, em bens de capital, que sinalizam investimentos, de 1,3%; bens intermediários (-0,2%) e semi e não duráveis (-3,3%).  Ante julho de 2006, o crescimento na indústria foi puxado por bens de capital (19,0%) e bens de consumo duráveis (15,1%), o que os técnicos do IBGE atribuem a "melhora nas condições de crédito", no documento de divulgação do dado. Houve expansão também em bens intermediários (4,7%) e em semi e não duráveis (3,8%). No ano, a produção das indústrias no País acumula alta de 5,1%. Nos últimos 12 meses, o avanço foi de 4,2%.

Tudo o que sabemos sobre:
indústria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.