Filipe Araujo/Estadão
Filipe Araujo/Estadão

Produção industrial sobe 0,2% em novembro ante outubro, aponta IBGE

Em relação a novembro de 2016, a produção cresceu 4,7%, sendo a alta mais acentuada para o mês desde 2010, quando a indústria tinha registrado expansão de 5,3%

Daniela Amorim, Broadcast

05 Janeiro 2018 | 09h24

RIO - A produção industrial subiu 0,2% em novembro de 2017 ante outubro, na série com ajuste sazonal, divulgou nesta sexta-feira, 5, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa foi a terceira elevação consecutiva, período em que acumulou ganho de 0,9%.

+ Venda de carros deve crescer 12% em 2018

Em relação a novembro de 2016, a produção cresceu 4,7%, sendo a alta mais acentuada para o mês desde 2010, quando a indústria tinha registrado expansão de 5,3%

No ano, a indústria teve alta de 2,3%. No acumulado em 12 meses, a produção da indústria acumulou avanço de 2,2%, resultado mais elevada desde setembro de 2013, quando a alta foi de 2,3%. 

Setores.  A produção da indústria de bens de capital ficou estável (0,0%) em novembro ante outubro, informou o IBGE. Na comparação com novembro de 2016, o indicador mostrou crescimento de 8,1%. Os dados fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física (PIM-PF).

No ano, houve crescimento de 5,8% na produção de bens de capital. No acumulado em 12 meses, a taxa ficou positiva em 6,5%.

Em relação aos bens de consumo, a pesquisa registrou queda de 0,7% na passagem de outubro para novembro. Na comparação com novembro de 2016, houve aumento de 5,4%. No ano, a produção de bens de consumo subiu 3,2%. No acumulado em 12 meses, o avanço foi de 2,9%.

+Inovar Auto sem definição de sucessor

Na categoria de bens de consumo duráveis, o mês de novembro foi de alta de 2,5% ante outubro, além de avanço de 15,2% em relação a novembro de 2016. Entre os semiduráveis e os não duráveis, houve redução na produção de 1,6% em novembro ante outubro, mas alta de 3,0% na comparação com novembro do ano passado.

Para os bens intermediários, o IBGE informou que a produção subiu 1,4% em novembro ante outubro. Em relação a novembro do ano passado, houve crescimento de 4,2%. No ano, os bens intermediários tiveram aumento de 1,4%. Em 12 meses, houve elevação de 1,2% na produção.

Positivo e negativo.  A produção industrial cresceu em 12 dos 24 ramos pesquisados na passagem de outubro para novembro, segundo os dados da Pesquisa Industrial Mensal divulgados pelo IBGE.

As principais influências positivas foram de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (com expansão de 6,5%, acumulando ganho de 26,6% nos dois últimos meses e eliminando a perda de 18,5% registrada em setembro) e de perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (com alta de 1,9%, após recuo de 10,3% nos meses de setembro e outubro).

+ Governo negocia mudança na 'regra de ouro' para flexibilizar Orçamento

O segmento de metalurgia cresceu 2,2%, mantendo a tendência positiva iniciada em agosto de 2017, período em que acumulou expansão de 7,6%. O setor de produtos alimentícios teve crescimento de 0,7%, recuperando parte da redução de 5,3% verificada em outubro. Já a atividade de celulose, papel e produtos de papel teve expansão de 2,3%, o quarto resultado positivo consecutivo, acumulando nesse período avanço de 3,7%.

Entre os onze ramos que reduziram a produção em novembro ante outubro, o setor de bebidas (-5,7%) teve o principal impacto negativo sobre a média global da indústria. Outras quedas relevantes foram observadas nos setores de artigos de vestuário e acessórios (-5,8%), produtos diversos (-9,0%), máquinas e equipamentos (-1,4%) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-0,7%).

+ ‘Tem de ficar claro: deu para um grupo, vai faltar a outros’, diz secretária do Tesouro

"A produção de automóveis cresce, é a parte de autopeças que vem com contribuição negativa. A atividade de veículos automotores tem dois resultados negativos em sequência, mas os crescimentos de meses anteriores tinham sido muito intensos. A produção de caminhões também tem crescimento na margem (em relação a outubro)", explicou André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.(  

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.