Filipe Araujo/Estadão
Filipe Araujo/Estadão

Produção industrial sobe 1,6% em SP e pode indicar recuperação

Alta em agosto foi influenciada pelo segmento de produtos alimentícios; segundo o IBGE, indústria paulista está melhor do que no início do ano

Nathália Larghi, O Estado de S.Paulo

09 Setembro 2016 | 11h41

A produção industrial em São Paulo cresceu 1,6% na passagem de junho para julho e, apesar de registrar uma sequência de 29 taxas negativas na comparação anual, a baixa de -1,8% registrada em julho de 2016 foi a menor da série. Os dados, divulgados na Pesquisa Industrial Mensal Regional, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pode significar o início de uma leve recuperação.

"Pode ser uma sinalização de que o processo de recuo pode estar chegando ao fim. É visível comparado com a série ajustada, já que a indústria paulista está melhor do que no início do ano e no final de 2015", afirmou Rodrigo Lobo, economista da coordenação de Indústria do IBGE. 

Segundo o especialista, a alta registrada pela indústria paulista no mês de julho foi influenciada por produtos alimentícios, especialmente com a safra de cana de açúcar. 

Setores como o de veículos automotores, que teve queda de 10% em relação a julho do ano passado, e de derivados de petróleo e biocombustíveis, que recuou 9,3% na comparação anual, foram apontados como alguns dos ramos que pressionaram negativamente a queda da produção em relação ao mesmo período ano passado. 

Pelo Brasil, a produção industrial avançou em 6 dos 14 locais pesquisados, com altas em Pernambuco (3,9%), no Paraná (2,6%), no Espírito Santo (2,3%), em São Paulo (1,6%), em Minas Gerais (1,1%) e no Ceará (0,4%). 

Dentre os oito locais que apresentaram queda, o principal destaque foi na Bahia (-11,2%), que teve o resultado negativo mais acentuado nesse mês, com a quarta queda seguida na produção. Santa Catarina (-3,1%), Rio Grande do Sul (-2,8%), Rio de Janeiro (-2,3%), região Nordeste (-2,1%) e Pará (-2,0%) também apresentaram baixas, enquanto Amazonas (0,0%) e Goiás (0,0%) repetiram o patamar registrado no mês de junho. 

Na comparação com julho de 2015, 13 dos 15 locais pesquisados apresentaram recuo na produção industrial, registrando redução de 6,6% na comparação anual. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.