Produção industrial sobe 1,60% em junho

A produção industrial acelerou em todos os indicadores em junho e registrou aumento de 1,60% ante maio e de 6,30% ante junho do ano passado. O indicador de junho na comparação com maio ficou dentro das estimativas de analistas consultados pela Agência Estado (0,50% a 1,80%), mas acima da média (1,30%). Na comparação de junho com junho do ano passado, o crescimento veio perto do teto das estimativas (3,80% a 6,50%) e também acima da mediana (5,35%). O aumento ante mês anterior foi o maior registrado pelo IBGE desde maio do ano passado (1,9%), e a quarta expansão consecutiva nessa base de comparação. No acumulado do primeiro semestre, a indústria registrou aumento de 5,0% ante igual semestre do ano anterior e, em 12 meses, acumula alta de 6,3%. A aceleração da atividade do setor foi confirmada também pelo índice de média móvel trimestral, que mostrou que o trimestre encerrado em junho teve produção 1% maior do que o encerrado em maio. Houve aumento do ritmo da produção também no segundo trimestre ante o primeiro trimestre. No acumulado dos trimestres ante trimestre imediatamente anterior, a indústria acelerou de uma variação zero no primeiro trimestre para 2,1% no segundo. Na comparação com iguais trimestres do ano passado, houve aumento acumulado de 3,9% no primeiro trimestre e de 6,1% no segundo trimestre. Entre as categorias de uso pesquisadas, os desempenhos foram os seguintes em junho, respectivamente na comparação com maio e com junho do ano passado: bens de capital (4,2% e 8,3%); bens intermediários (0,9% e 2,9%); bens duráveis (8,1% e 23,6%) e bens não duráveis (0,7% e 7,5%). Bens de capital A produção do segmento de bens de capital cresceu 4,2% em junho ante maio e 8,3% ante junho do ano passado. A produção do setor apresentou forte aceleração entre o primeiro trimestre (2,5%) e o segundo trimestre (5,1%), ante iguais trimestres do ano passado e passou de uma variação zero no primeiro trimestre para 2,2% no segundo trimestre, ante trimestres imediatamente anteriores. Na comparação com junho do ano passado, para o qual o IBGE tem os dados abertos de bens de capital, houve forte crescimento da produção voltada para energia elétrica (41,5%); para construção (27,3%); para transporte (16,3%) e para fins industriais (3,1%). Houve queda apenas nos bens de capital para uso agrícola (-37,6%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.