Produção industrial sobe em 7 de 14 regiões pesquisadas

Ante março, indústria paulista registra 4ª alta consecutiva; no ano, porém, resultado é o pior desde 1991

Jacqueline Farid, da Agência Estado,

04 de junho de 2009 | 09h37

A produção industrial subiu em sete das 14 regiões pesquisadas em abril ante março, segundo divulgou nesta quinta-feira, 4, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os destaques, nessa comparação, ficaram com o Espírito Santo (7,1%), Goiás e Rio Grande do Sul (ambos com 2,3%) e Ceará (1,7%). Todas essas regiões ficaram acima da alta na média nacional (1,1%) registrada no período.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

Houve taxas positivas, mas abaixo da média, também em São Paulo (1,0%), Minas Gerais (0,6%) e Santa Catarina (0,5%). Por outro lado, os destaques de queda na produção ante o mês anterior ficaram com a Bahia (-11,0%), região Nordeste (-5,1%) e Amazonas (-5,0%).

 

Na comparação com abril de 2008, todos os 14 locais pesquisados pelo IBGE registraram queda na produção em abril, sendo que os maiores recuos ocorreram no Espírito Santo (-26,7%) e Minas Gerais (-21,6%).

 

São Paulo

 

A indústria de São Paulo registrou a quarta taxa positiva consecutiva ante o mês anterior, segundo os dados do IBGE. O índice de média móvel trimestral, principal indicador de tendência, também mostrou crescimento na indústria paulista, com alta de 0,9% no trimestre encerrado em abril ante o terminado em março.

 

Na comparação com abril do ano passado, porém, a produção na indústria paulista caiu 16,2%, resultado pior do que a média nacional no período, de -14,8%, a sexta taxa negativa consecutiva nessa base de comparação.

 

Segundo o documento de divulgação do IBGE, a queda na região refletiu o desempenho negativo de 15 dos 20 ramos investigados, com destaque para máquinas e equipamentos (-36,5%), material eletrônico e equipamentos de comunicações (-60,3%) e veículos automotores (-23,5%).

 

Por outro lado, alimentos (7,4%), outros equipamentos de transporte (16,3%) e refino de petróleo e produção de álcool (7,9%) registraram os principais aumentos ante igual mês do ano anterior.

 

A indústria de São Paulo acumula queda de 15,4% no primeiro quadrimestre do ano, o resultado mais baixo da série histórica da pesquisa do IBGE, iniciada em 1991. Em 12 meses, a indústria paulista acumula recuo de -2,9%, no pior resultado em 12 meses desde setembro de 2002 (-3,0%).

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeiraindústria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.