Produtividade nos EUA é revisada em alta para 1,9%

A produtividade dos trabalhadores norte-americanos no primeiro trimestre foi maior do que previamente calculado. Segundo dados apresentados há pouco pelo Departamento do Trabalho, a produtividade cresceu à média anual, sazonalmente ajustada, de 1,9% entre janeiro e março, acima da média anterior de 1,6%. O crescimento ficou próximo ao previsto pelos economistas, de alta de 2%. Segundo o Departamento, a mudança reflete a revisão positiva feita pelo Departamento do Comércio no PIB. Custo de mão de obra O custo de mão-de-obra no primeiro trimestre foi revisado em baixa pelo Departamento do Trabalho, para crescimento de 1,5%, contra alta de 1,9% prevista antes. A previsão dos analistas era de que o custo registrasse elevação de 1,6% no primeiro trimestre. Atividade do setor de serviços cresceO setor de serviços nos Estados Unidos mostrou um desempenho mais robusto do que o esperado pelos analistas em maio, de acordo com levantamento do Instituto para Gestão da Oferta (ISM, na sigla em inglês) informou que seu índice de atividade do setor não-industrial cresceu para 54,5 em maio, de 50,7 em abril. O índice ficou acima do projetado pelos analistas, que previam uma melhora discreta para 51,0. O subíndice de novas encomendas subiu de 50,6 para 54,7 em maio, enquanto o dado relativo ao emprego melhorou de 48,2 para 48,7. Ao mesmo tempo, o índice de preços pagos retrocedeu de 56,7 para 49,6. O índice do setor não-industrial monitora a atividade de áreas como varejo, serviços financeiros, construção, entre outras. Um nível acima de 50 indica expansão da atividade, enquanto abaixo desse patamar sugere contração. Na segunda-feira, o ISM havia anunciado que o índice de atividade industrial subiu para 49,4 em maio, de 45,4 em abril e 46,2 em março. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.