Malagrine / Mercedes-Benz
Malagrine / Mercedes-Benz

Produtividade reage após seis anos

Projeção da consultoria Tendências é de que indicador deve crescer 0,5% em 2018, depois de ter caído 6,45% entre 2012 e 2017

Humberto Maia Junior , Especial para O Estado

31 Março 2018 | 05h00

Depois de cair 6,45% nos últimos seis anos, a produtividade brasileira começa a esboçar uma reação. A projeção da consultoria Tendências é de que, em 2018, o indicador deve crescer 0,5%. Trata-se de uma alta modesta, mas que sinaliza o avanço de um indicador essencial para o crescimento sustentável do País. 

Essa recuperação é resultado de uma combinação de três fatores. Um deles é o chamado “darwinismo econômico”: durante a recessão, muitas empresas ineficientes vão à falência e trabalhadores com baixa qualificação são demitidos. “

A produção cai num primeiro momento de forma mais rápida do que as demissões, já que as empresas não sabem a extensão da crise”, explica Evandro Buccini, economista-chefe da Rio Bravo Investimentos. “Quando a economia volta a crescer, o mercado de trabalho demora para responder, o que favorece o ganho de produtividade no pós-crise.” 

Além disso, para sobreviver, ou para se preparar para a retomada, muitas empresas investiram na melhoria de processos, corte de custos e otimização dos recursos. Quando a economia se recupera, elas estão mais eficientes e a produtividade aumenta. 

Na semana passada, por exemplo, a montadora Mercedes-Benz anunciou uma série de inovações na fábrica de caminhões e ônibus de São Bernardo do Campo, resultado do investimento de R$ 500 milhões nos últimos três anos, período em que também demitiu 5 mil pessoas. Com a modernização da unidade e a adoção de conceitos da chamada indústria 4.0, a empresa anunciou um ganho de produtividade de 15%. 

A construtora paranaense Plaenge também investiu na melhoria de processos durante a crise. Um dos focos da Plaenge foi reduzir o tempo ocioso da mão de obra, provocado por falhas na distribuição de material para construção, como tijolos ou cimento. “Uma construção que custava R$ 31 milhões, agora custa R$ 1,8 milhão a menos”, diz Marcelo Resquetti, gerente geral da Plaenge. 

O impulso no indicador de produtividade também veio da macroeconomia, com juros e inflação convergindo para mínimas históricas. Segundo Alessandra Ribeiro, da Tendências, as mudanças na legislação trabalhista e a Lei de Responsabilidade das Estatais ajudaram a melhorar o ambiente de negócios, estimulando investimentos. “Os efeitos dessas reformas devem aumentar ao longo do tempo.” 

Voo de galinha. Mas ainda há muito a fazer para livrar o Brasil da síndrome de “voo de galinha”, em que o crescimento é sempre baixo e de curta duração. Para o País emplacar um crescimento ao “estilo chinês”, mudanças estruturais profundas precisam ser feitas. “O aumento de produtividade envolve três aspectos”, explica o economista José Alexandre Scheinkman, da Universidade Columbia, nos EUA. “Aumento da educação dos trabalhadores, do estoque de capital na economia e, também, maior eficiência na forma como capital e trabalho são usados de forma combinada.”

Esse terceiro ponto depende de melhorias no ambiente de negócios. Trata-se de uma agenda que envolve redução da burocracia, investimentos em infraestrutura, criação de regras e marcos regulatórios que deem clareza e previsibilidade no cumprimento de contratos, aumento da competição entre os agentes econômicos e simplificação tributária. 

Posto em números, é possível ver o tamanho do desafio. A pedido do Estado, o banco Santander calculou o esforço que o País precisa fazer para aumentar o potencial de crescimento do PIB, ou seja, o quanto a economia consegue crescer sem exaurir sua capacidade e provocar alta da inflação – que depende de mais produtividade. 

Estudos do banco indicam que, hoje, o teto está próximo de 2% ao ano. Para crescer 4% de forma consistente, a taxa de investimentos terá de sair dos atuais 15,6% para 21% do PIB – e a produtividade crescer 2,3% ao ano. “É um ritmo de crescimento que o País não consegue sustentar desde a década de 70”, diz Maurício Molon, economista-chefe do Santander.


4 PERGUNTAS PARA ARMINIO FRAGA, EX-PRESIDENTE DO BANCO CENTRAL

Por que a produtividade no Brasil é tão baixa?

Há três dimensões básicas. Uma é a baixa capitalização da economia brasileira. Ao longo dos anos, o País tem investido pouco. Também há o lado da educação, do capital humano, que deixa a desejar. E, por último, temos a baixa qualidade das nossas instituições, ou seja, problemas de funcionamento de mercado como sistema tributário complexo, excesso de regulação ou regras confusas. São todos problemas bem conhecidos.

Por que nunca atacamos esses problemas?

O Brasil não acompanhou o desenvolvimento das economias mais maduras. Para explicar isso, entramos no mundo da cultura e, principalmente, da política, que tem se mostrado incapaz de dar as respostas necessárias a esses desafios. Isso requer visão de longo prazo, foco no bem comum, espírito público e confiança, tanto nas pessoas quanto nas instituições. É difícil mudar isso. Os processos são lentos. Mas, com tudo que tem acontecido nos últimos anos, os escândalos políticos e o colapso na economia, diria que estamos diante de uma boa oportunidade. 

O governo perdeu a chance de aprovar reformas importantes para a produtividade?

Temos perdido oportunidades ao longo de muitos anos, já que os assuntos não são novos. Mas não seria exagero dizer que algumas coisas aconteceram. Algumas reformas foram feitas, como ajustes no setor de petróleo, energia, a lei das estatais e a reforma trabalhista. Não é pouco.

O sr. acha que o tema receberá atenção dos candidatos a presidente?

É um desafio importante. Temos nos mostrado vítimas fáceis do populismo. Minha esperança é que, em virtude do fracasso dessas políticas populistas, as coisas comecem a ficar mais claras. Mas infelizmente não tenho qualquer grau de certeza quanto a isso.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.