Produtor compromete renda para pagar dívida de custeio

Grande parte dos agricultores tem sua renda comprometida com o pagamento de parcelas de custeio da lavoura, mostra pesquisa divulgada a pouco pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Foram ouvidos 2.298 produtores de todo o País durante o mês de maio. "Isso é preocupante, pois boa parte dos produtores tem também dívidas em outras linhas, como investimento, Pesa e securitização", disse o chefe do Departamento Econômico da CNA, Getúlio Pernambuco. Do total de produtores, parcela de 10% indicou que tem comprometimento superior a 60% da renda bruta.Além do alto comprometimento da renda com as linhas oficiais de crédito rural, a pesquisa mostra que o setor também está endividado diretamente com os fornecedores de insumos. Cerca de 36% dos consultados informaram que têm débitos a quitar com fornecedores. A pesquisa, do Projeto Conhecer da CNA, indica que apenas 11% dos consultados que pediram renegociação foram atendidos em relação ao crédito de custeio. Outros 12% pediram renegociação dos débitos de linhas de investimento e conseguiram prazo maior para quitar as dívidas.De acordo com a CNA, 28% dos produtores informaram ter dívidas por intermédio do lançamento de Cédulas de Produto Rural (CPR), mas apenas 30% desse grupo conseguiu renegociar o valor devido. "A situação de crise de renda já estava estabelecida e era de conhecimento do governo, que lançou por meio de resoluções do Conselho Monetário Nacional (CMN) uma série de medidas na tentativa de facilitar a renegociação das dívidas rurais. Mas a pesquisa comprovou que essas medidas não foram suficientes para atender os problemas do campo", afirmou Pernambuco.Para 34% dos consultados, as medidas do CMN não atenderam a demanda do setor rural. Outra parcela de 38% afirmou que as medidas resolveram apenas parcialmente os problemas de crédito. Conforme a pesquisa, 38% dos entrevistados não utilizaram recursos do sistema financeiro na safra atual (2004/05).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.