finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Produtor de carne bovina acha modelo ''satisfatório''

Enquanto os exportadores de suínos pedem um novo modelo para distribuição das cotas da Rússia para a importação de carnes, a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), que representa os exportadores de carne bovina, classifica o modelo atual como "satisfatório". Para o diretor executivo da Abiec, Luiz Carlos de Oliveira, o fato de o Brasil estar na categoria de "outros países" é mais favorável do que ter cota fixa para exportação. "O Brasil, que é muito competitivo, não fica limitado a uma quantidade fixa. Podemos abocanhar o volume que deixa de ser exportado por outros países", disse. A Rússia é a principal importadora de carne bovina in natura do Brasil. Fontes do Ministério da Agricultura explicam que o Brasil atua num mercado "sem concorrentes de peso" no caso da carne bovina. Além disso, as características da pecuária de corte impedem a adoção de política de ampliação da produção na Rússia. "É fácil construir um galpão e criar aves e suínos, mas para ampliar a oferta de carne bovina é preciso ter áreas para pastagem. E a Rússia não tem", observou Oliveira. A Rússia adotou uma política de substituição das importações como forma de desenvolver o mercado interno, o que certamente vai influenciar no volume de produção de frangos e suínos. Mesmo diante das divergências entre produtores, proposta de alteração da política de importações com a adoção de cota única foi apresentada 6ª-feira, em São Paulo, por representantes dos exportadores de carne suína ao ministro da Agricultura da Rússia, Alexey Gordeev, que concordou com a proposta, segundo fonte do governo.

Fabíola Salvador, O Estadao de S.Paulo

25 de novembro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.