Produtor de leite faz parceria com grandes grupos

Perdigão, Parmalat e Bom Gosto fecham acordos para garantir fornecimento

José Henrique Lopes, O Estadao de S.Paulo

30 de maio de 2008 | 00h00

A parceria entre grandes empresas e produtores rurais, comum nos segmentos de aves e suínos, está sendo levada também para o ramo de laticínios. Por meio de programas de fidelidade estabelecidos com os proprietários de gado leiteiro, grandes empresas estão oferecendo treinamento, assistência técnica e veterinária e melhorias na estrutura da propriedade para que as vacas ordenhadas possam produzir mais e melhor. A Perdigão, que após comprar a Batavia e a Eleva tornou-se um dos principais grupos de laticínios do país, está repetindo a experiência que já desenvolvia com sua produção de aves e suínos. Nesses segmentos, a empresa mantém uma rede de 7 mil produtores associados. Em Bom Conselho (PE), a empresa está construindo um complexo agroindustrial que terá duas plantas processadoras - uma para leite e outra para carnes -, além de um centro de distribuição. "A região de Bom Conselho concentra uma ótima bacia leiteira, mas que precisa ser otimizada", diz Ricardo Menezes, diretor de Relações Institucionais da Perdigão. Sob o nome "Fidelizaleite", o programa da Perdigão pretende estabelecer acordos de fidelidade com produtores que receberão, como contrapartida ao leite fornecido, treinamentos, assistência técnica e veterinária, alimentação para os animais e tanques de refrigeração para o leite. A expectativa é receber lotes de 15 mil litros diários. Até janeiro, espera-se que esse volume chegue a 150 mil.A Laep, controladora da Parmalat Brasil, criou uma empresa só para trabalhar especialmente com sistemas de cooperação com o produtor rural, a Integralat. A empresa vai atuar com o conceito de "fazendas integradoras", onde haverá pesquisa e fecundação. Hoje, a Integralat tem cerca de 50 mil vacas já fecundadas, que darão origem a animais de alta produtividade. Esses animais serão dados aos produtores com os quais a empresa trabalha em parceria.A primeira dessas fazendas será inaugurada em Unaí (MG). No local, os produtores vão receber treinamento sobre como alimentar e manejar os animais. A meta é multiplicar por cinco a produção de leite. Além disso, a Integralat adquiriu propriedades consideradas modelo no Uruguai, de onde pretende trazer tecnologia.Presente em seis Estados brasileiros, a Bom Gosto Laticínios mantém um quadro de 50 técnicos que trabalham em contato direto com as propriedades fornecedoras de leite. Além disso, repassa ao produtor ração para os animais, refrigeradores para a conservação do leite e, em uma fase posterior, financia a aquisição de animais de alta produtividade.Com um rebanho de mais de 20 milhões de animais, o Brasil hoje só perde para a Índia em número de vacas ordenhadas. Os números relacionados à produção de leite, porém, deixam a desejar: são 24,7 milhões toneladas por ano, o que coloca o País apenas no sexto lugar no mundo. Isso porque, no Brasil, a produtividade por animal é baixa, de apenas 1,2 mil litros por ano para cada vaca. Nos EUA, líder em produtividade, esse volume é nove vezes maior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.